Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha da Argentina fala sobre localização do submarino ARA San Juan

Embarcação desaparecida há 1 ano foi localizada neste sábado a 907 metros de profundidade. Ainda não há previsão de início dos trabalhos de resgate. 'Não temos meios para resgatar o submarino', diz ministro.
Por G1

A Marinha da Argentina informou neste sábado (17) que o submarino ARA San Juan, que sumiu há 1 ano com 44 tripulantes, foi encontrado a 907 metros de profundidade em uma área de "visibilidade bastante reduzida", e que a embarcação sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma área de 80 a 100 metros. “Isso sugere que a implosão tenha ocorrido muito perto do fundo”, disse.

Segundo a Marinha, as imagens mostram que o casco do submarino permaneceu bastante intacto, apenas com algumas deformações, e que todas as outras partes se desprenderam. A implosão teria ocorrido em razão da pressão externa do mar ter superado …

Zarif: Estados Unidos continuam ordenhando a Arábia Saudita, agora no caso da Síria

O chanceler do Irã, Mohamad Javad Zarif, afirmou que os EUA continuam a "ordenhar" a Arábia Saudita depois que um relatório confidencial que revela que Washington pediu a Riad US $ 4 bilhões para manter suas tropas na Síria.


Pars Today

“A “ordenha” [da vaca gorda] continua inabalável”. Confirmado hoje: o presidente Trump exige mais quatro bilhões de dólares daqueles que financiam o Daesh para manter as tropas dos EUA, sem serem convidadas, na Síria”, escreveu o diplomata persa na quarta-feira na sua conta do Twitter.


Zarif: Estado Unido continuam ordenhando a Arábia Saudita, agora no caso da Síria
Chanceler do Irã, Mohamad Javad Zarif | Reprodução

Ele também denunciou o que Riad e Washington estão fazendo "para reverter os sucessos (alcançados pelo Exército Sírio e seus aliados) em face dos extremistas e minar a unidade nacional síria".

Na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou sua decisão de retirar as tropas de seu país da Síria, argumentando que a presença militar dos EUA no Oriente Médio, por muitos anos, não teve nenhum resultado positivo para Washington. No mesmo dia de terça-feira, o magnata norte-americano disse que se, como parece, a Arábia Saudita quisesse que Washington mantivesse suas 2000 efetivos na Síria, então Riad teria que pagar pela permanência das tropas dos EUA no território sírio.

Poucas horas depois, fontes oficiais informaram que Trump decidiu manter as tropas no país árabe "um pouco mais".

O portal norte-americano de USNEW revelou na quarta-feira que Trump pediu nesta segunda-feira em uma conversa por telefone, ao rei saudita Salman bin Abdulaziz Al Saud, 4 bilhões de dólares para gastar em avançar objetivos de Washington na Síria, Riad também compartilhou a ideia.

Duas autoridades norte-americanas familiarizadas com o assunto disseram que o magnata estava confiante de que o monarca saudita concordaria em dar tal quantia.

No entanto, a Embaixada da Arábia Saudita em Washington (capital dos EUA) não se pronunciou imediatamente. O jornal militar norte-americano Stars and Stripes divulgou uma demanda semelhante feita por Trump a Salman em meados de março. O relatório disse que o dinheiro seria usado para evitar o fortalecimento do presidente sírio, Bashar al-Assad, e dos aliados da Síria: Irã e Rússia.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas