Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Seul celebra decisão de Pyongyang em suspender testes nucleares e de mísseis

Presidente sul-coreano Moon Jae-in e o líder norte-coreano Kim Jong-un irão se encontrar na próxima sexta-feira (27).
EFE

O governo da Coreia do Sul qualificou neste sábado (21) como um "progresso significativo" para a desnuclearização da Coreia do Norte a decisão do regime de Pyongyang de suspender os seus testes atômicos e de mísseis, assim como o fechamento de seu centro de testes nucleares.

Em um comunicado enviado pelo gabinete presidencial sul-coreano, Seul considerou que "a decisão da Coreia do Norte é significativa para a desnuclearização da península coreana" e disse, além disso, que "ajudará a criar um ambiente muito positivo para o sucesso das próximas cúpula intercoreana e entre o Norte e Estados Unidos".

O governo sul-coreano se comprometeu em preparar o iminente encontro entre seu presidente, Moon Jae-in, e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, previsto para o próximo dia 27, de modo a "liderar o caminho para a desnuclearização e paz duradour…

Zarif: Estados Unidos continuam ordenhando a Arábia Saudita, agora no caso da Síria

O chanceler do Irã, Mohamad Javad Zarif, afirmou que os EUA continuam a "ordenhar" a Arábia Saudita depois que um relatório confidencial que revela que Washington pediu a Riad US $ 4 bilhões para manter suas tropas na Síria.


Pars Today

“A “ordenha” [da vaca gorda] continua inabalável”. Confirmado hoje: o presidente Trump exige mais quatro bilhões de dólares daqueles que financiam o Daesh para manter as tropas dos EUA, sem serem convidadas, na Síria”, escreveu o diplomata persa na quarta-feira na sua conta do Twitter.


Zarif: Estado Unido continuam ordenhando a Arábia Saudita, agora no caso da Síria
Chanceler do Irã, Mohamad Javad Zarif | Reprodução

Ele também denunciou o que Riad e Washington estão fazendo "para reverter os sucessos (alcançados pelo Exército Sírio e seus aliados) em face dos extremistas e minar a unidade nacional síria".

Na terça-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, reiterou sua decisão de retirar as tropas de seu país da Síria, argumentando que a presença militar dos EUA no Oriente Médio, por muitos anos, não teve nenhum resultado positivo para Washington. No mesmo dia de terça-feira, o magnata norte-americano disse que se, como parece, a Arábia Saudita quisesse que Washington mantivesse suas 2000 efetivos na Síria, então Riad teria que pagar pela permanência das tropas dos EUA no território sírio.

Poucas horas depois, fontes oficiais informaram que Trump decidiu manter as tropas no país árabe "um pouco mais".

O portal norte-americano de USNEW revelou na quarta-feira que Trump pediu nesta segunda-feira em uma conversa por telefone, ao rei saudita Salman bin Abdulaziz Al Saud, 4 bilhões de dólares para gastar em avançar objetivos de Washington na Síria, Riad também compartilhou a ideia.

Duas autoridades norte-americanas familiarizadas com o assunto disseram que o magnata estava confiante de que o monarca saudita concordaria em dar tal quantia.

No entanto, a Embaixada da Arábia Saudita em Washington (capital dos EUA) não se pronunciou imediatamente. O jornal militar norte-americano Stars and Stripes divulgou uma demanda semelhante feita por Trump a Salman em meados de março. O relatório disse que o dinheiro seria usado para evitar o fortalecimento do presidente sírio, Bashar al-Assad, e dos aliados da Síria: Irã e Rússia.

Postar um comentário