Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil abre processo administrativo para apurar vídeo de militares dançando 'Jenifer' em navio

Em nota, a Marinha informou que e 'foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições' e que irá apurar o ocorrido.
Por G1 Rio

A Marinha do Brasil instaurou um processo administrativo para apurar um vídeo em que um grupo de militares aparece dançando a música "Jenifer" em um navio oficial.


A embarcação, segundo a Marinha, é o Aviso de Instrução Guarda-Marinha Brito, que fica sediado no Rio de Janeiro. A gravação foi feita durante o estágio de mar de militares.

Em nota, a Marinha informou que "foi constatado comportamento completamente incompatível com as tradições da Marinha" e que, para ampliar a apuração do ocorrido, foi instaurado um procedimento administrativo "cuja conclusão, certamente, conterá as propostas pertinentes às necessárias correções no inaceitável comportamento".

Assista o vídeo

Advogado do brasileiro que lutou em Donbass culpa embaixada de contribuir para detenção

Recentemente, informamos que o cidadão brasileiro Rafael Marques Lusvarghi foi capturado por um grupo de desconhecidos e levado até à sede do Serviço de Segurança da Ucrânia. Agora, seu advogado culpa a embaixada brasileira de ignorância e até de colaboração com os nacionalistas por ter supostamente comunicado o paradeiro do ex-combatente.


Sputnik

Em um vídeo publicado na última semana, se pode ver como membros do grupo nacionalista ucraniano Batalhão Azov agridem Lusvarghi, levando-o de modo violento do mosteiro nos arredores da capital onde estava refugiado. O objetivo do grupo, evidentemente, era "vender" o brasileiro por um soldado ucraniano no âmbito da troca de prisioneiros.

Brasileiro Rafael Marques Lusvarghi nas milícias de Donbass
Rafael Marques Lusvarghi © Foto : Arquivo pessoal de Raul Athaide

Enquanto isso, o advogado de Lusvarghi, Valentin Rybin, logo se apressou a comunicar os novos detalhes do caso, segundo sua ótica.

De acordo com o defensor civil, nem as autoridades ucranianas, nem a embaixada brasileira em Kiev contribuíram para a realização do acordo entre a Ucrânia e as repúblicas autoproclamadas, segundo o qual deveria ter sido emitido um passaporte a Lusvarghi (e outros em custódia) com vista à sua saída para o país de origem, ou seja, o Brasil.

"A embaixada do Brasil se recusou a emitir documentos de regresso a Rafael, prestar ajuda quanto ao retorno para casa e simplesmente o apoiar. Minhas numerosas solicitações ao Cônsul da embaixada do Brasil sobre a necessidade de fazer Rafael voltar a casa e os avisos sobre o destino pouco agradável do voluntário no caso de atitude passiva acabaram não por ser ouvidas!", escreveu o advogado na sua página do Facebook.

Porém, esta não foi a acusação mais dura de Rybin. Segundo ele, o grupo de nacionalistas ucranianos "nem precisou buscar Rafael, pois a própria embaixada brasileira avisou as autoridades ucranianas sobre o paradeiro do seu cidadão".

Na sequência desta história, a Sputnik Brasil contatou a missão diplomática brasileira em Kiev, que, por sua vez, se recusou a comentar ao assunto, afirmando que isso "cabe ao Itamaraty". Já o ministério, contatado pela Sputnik, não providenciou comentário por "falta de informações".

Relembramos que, entre setembro de 2014 e novembro de 2015, Lusvarghi combateu no Exército da República Popular de Donetsk, sendo consequentemente preso na capital ucraniana em outubro de 2016.

Já em janeiro do ano passado, o brasileiro foi condenado a 13 anos de prisão por "atos de terrorismo" contra o Estado ucraniano. Contudo, após algum tempo ele foi libertado por possíveis irregularidades no processo e se refugiou em um mosteiro onde acabou por ser detido na semana passada por um grupo de nacionalistas.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas