Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

'Ameaça à paz': Venezuela condena aliança da Colômbia com OTAN

O governo da Venezuela expressou neste sábado sua rejeição categórica da adesão colombiana à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).


Sputnik

Depois do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, ter anunciado sua viagem à Bélgica, a ser realizada semana que vem, para finalizar a adesão de seu país na qualidade de "parceiro global" da OTAN, o ministério das Relações Exteriores da Venezuela divulgou um comunicado, classificando o fato como "um seria uma ameaça à paz e estabilidade regional".

Logo da OTAN (foto de arquivo)
© AFP 2018 / Paul J. Richards

Para a administração do presidente Nicolás Maduro, a Colômbia se presta a introduzir na região "uma aliança militar externa com capacidade nuclear", que em sua opinião põe em perigo a "posição histórica" ​​da América Latina e do Caribe "de tomar a devida distância das políticas e ações de belicismo realizadas pela Aliança Atlântica ou qualquer outro exército que use a força" para impor e garantir a "hegemonia de um modelo político e econômico particular".

Segundo Caracas, Bogotá deve "cumprir as obrigações internacionais" decorrentes da assinatura de acordos com organizações regionais, como a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da Comunidade de Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC), que oferecem mecanismos para "garantir a paz e a solução pacífica de conflitos".

O comunicado ressaltou que a Colômbia é signatária do "Tratado de Tlatelolco para a Proibição de Armas Nucleares na América Latina e no Caribe, a Declaração de Havana da CELAC, que proclama a América Latina e o Caribe são zona de paz, bem como a declaração da América do Sul como zona de paz e construção de medidas de confiança e segurança, aprovado no âmbito do Conselho de Defesa sul-americano de Procedimentos da Unasul".

Segundo Venezuela, a cooperação da Colômbia com a OTAN é uma ameaça que poderia "intimidar os povos da América Latina e do Caribe".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas