Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

'Ameaça à paz': Venezuela condena aliança da Colômbia com OTAN

O governo da Venezuela expressou neste sábado sua rejeição categórica da adesão colombiana à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).


Sputnik

Depois do presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, ter anunciado sua viagem à Bélgica, a ser realizada semana que vem, para finalizar a adesão de seu país na qualidade de "parceiro global" da OTAN, o ministério das Relações Exteriores da Venezuela divulgou um comunicado, classificando o fato como "um seria uma ameaça à paz e estabilidade regional".

Logo da OTAN (foto de arquivo)
© AFP 2018 / Paul J. Richards

Para a administração do presidente Nicolás Maduro, a Colômbia se presta a introduzir na região "uma aliança militar externa com capacidade nuclear", que em sua opinião põe em perigo a "posição histórica" ​​da América Latina e do Caribe "de tomar a devida distância das políticas e ações de belicismo realizadas pela Aliança Atlântica ou qualquer outro exército que use a força" para impor e garantir a "hegemonia de um modelo político e econômico particular".

Segundo Caracas, Bogotá deve "cumprir as obrigações internacionais" decorrentes da assinatura de acordos com organizações regionais, como a União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e da Comunidade de Estados da América Latina e das Caraíbas (CELAC), que oferecem mecanismos para "garantir a paz e a solução pacífica de conflitos".

O comunicado ressaltou que a Colômbia é signatária do "Tratado de Tlatelolco para a Proibição de Armas Nucleares na América Latina e no Caribe, a Declaração de Havana da CELAC, que proclama a América Latina e o Caribe são zona de paz, bem como a declaração da América do Sul como zona de paz e construção de medidas de confiança e segurança, aprovado no âmbito do Conselho de Defesa sul-americano de Procedimentos da Unasul".

Segundo Venezuela, a cooperação da Colômbia com a OTAN é uma ameaça que poderia "intimidar os povos da América Latina e do Caribe".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas