Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Analista militar: EUA reconhecem sua 'impotência'

A Segunda Frota recentemente restabelecida pelos EUA enfrentará submarinos russos no Atlântico, afirma um dos especialistas norte-americanos.


Sputnik

A Segunda Frota recém-reativada pelos Estados Unidos enfrentará submarinos russos no Atlântico, anunciou Bryan McGrath, ex-comandante do destróier norte-americano, em entrevista ao The Washington Post.


Navio de assalto anfíbio USS Wasp da Marinha dos EUA
CC BY 2.0 / Official U.S. Navy Page / USS Wasp departs Naval Station Norfolk

Anteriormente, os representantes da Marinha dos EUA anunciaram a reativação da Segunda Frota, justificando a decisão ao agravamento da competição com as grandes potências mundiais. O ressurgimento da Segunda Frota é um sinal de que os EUA têm a intenção de "agir de forma mais poderosa e convincente no Atlântico Norte", declarou McGrath.

Segundo o especialista, uma das principais tarefas da frota será confrontar a ameaça "por enquanto pequena" dos submarinos nucleares russos que operam no Atlântico. Esses submarinos nucleares, como o K-329 Severodvinsk, estão equipados com armas hipersônicas e mísseis nucleares capazes de atingir a maioria das cidades da costa leste dos EUA, observou McGrath.

Além disso, os submarinos russos equipados com minas e mísseis antissubmarinos são capazes de impedir o envio das forças da OTAN para apoiar os aliados na Aliança, acredita o analista.

De acordo com McGrath, a Segunda Frota começará em breve a patrulhar as fronteiras costeiras. Nessa operação serão envolvidos navios de superfície, navios não tripulados, submarinos de combate e aeronaves de reconhecimento marítimo P-8 Poseidon.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o analista em ciências políticas, Andrei Koshkin, comentou sobre estas declarações.

"Podemos constatar sérias mudanças na estrutura da capacidade de defesa dos Estados Unidos que hoje reconheceram sua franqueza e estão dispostos a fazer grandes investimentos para supostamente garantir sua segurança", afirmou Koshkin.

Ele também acrescentou que essas declarações revelam que existem graves lacunas na segurança dos EUA que os militares norte-americanos, por um lado gostariam de corrigir rapidamente, e por outro lado, isso seria um pretexto para aumentar seu orçamento militar.

A Segunda Frota da Marinha dos EUA existiu entre 1950 a 2011 e foi responsável pelo Oceano Atlântico desde o Polo Norte até o mar do Caribe. Atualmente, a Marinha dos EUA tem seis unidades de frotas ativas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas