Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Ataques de Israel contra Síria matam ao menos 23 combatentes, relata mídia

Ao menos três pessoas morreram e mais duas ficaram feridas na sequência dos ataques israelenses contra a Síria, declarou na quarta-feira (10) o Comando Geral do Exército da Síria.


Sputnik

"Os ataques com vários mísseis do inimigo israelense causaram a morte de três pessoas, e outras duas ficaram gravemente feridas. Os nossos sistemas de defesa aérea conseguiram eficazmente e eficientemente repelir e destruir a maioria dos […] mísseis israelenses [lançados] um após o outro hoje de manhã contra uma série de instalações militares", cita a agência de notícias SANA a declaração do Comando Geral.


Fogo do míssil visível sobre a cidade síria de Daraa, 10 de maio
Mísseis no céu da cidade síria de Daraa © REUTERS / Alaa al-Faqir

De acordo com o exército sírio, os mísseis de Israel também causaram danos à propriedade, em particular, à estação de radar, a um armazém de munição e a várias unidades de defesa antiaérea que foram destruídas.

Previamente, a agência de notícias AFP informou que os ataques israelenses contra várias áreas da Síria, na madrugada do dia 10 de maio, mataram ao menos 23 combatentes, incluindo 5 membros das tropas sírias e 18 soldados das forças aliadas.

Segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos com base no Reino Unido, morreu um oficial das tropas sírias durante os ataques, adicionando que dentre outras vítimas também incluíram sírios e estrangeiros, comunica a AFP.

Dezenas de alvos iranianos na Síria foram atingidos pela Força Aérea de Israel depois das forças iranianas alegadamente terem anteriormente lançado cerca de 20 mísseis contra as posições israelenses na Síria.

No entanto, a informação sobre as vítimas não foi confirmada. Os alvos das forças israelenses supostamente incluíram armazéns de armas, instalações logísticas e centros de inteligência utilizados pelas forças de elite iranianas na Síria.

Conforme Israel, o ataque destruiu cinco sistemas antiaéreos sírios na sequência de severos bombardeamentos. Pela informação existente, nenhum avião militar foi atingido.

Por sua vez, o deputado iraniano para assuntos de segurança e política externa, Abolfazl Hassan Beigi, afirmou: "O Irã não tem presença militar na Síria, não tem bases. Israel está mentindo. Foi a Síria que efetuou os ataques ontem em resposta aos repetidos ataques contra o país. Israel deve perceber que a situação mudou e que agressão não ficará sem resposta".

Entretanto, o Ministério da Defesa da Rússia informou que 28 aviões F-15 e F-16 foram usados no ataque, com mais de 60 mísseis ar-terra lançados contra várias partes da Síria, sendo que metade não atingiu seus alvos. Israel também lançou mais de dez mísseis táticos do tipo terra-terra, diz-se no comunicado do ministério.

Na madrugada de 10 de maio, as forças antiaéreas sírias repeliram um ataque israelense. No entanto, Israel afirma que os ataques aéreos contra a Síria são represália ao ataque de mísseis pelas forças iranianas posicionadas no território sírio. Este já é o segundo ataque israelense contra a Síria nesta semana. Na madrugada de quarta-feira (9), Israel bombardeou os arredores a sul de Damasco.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas