Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Aviões norte-americanos realizam reconhecimento perto das fronteiras russas

Dois aviões norte-americanos realizaram voos de reconhecimento perto das fronteiras da Rússia, segundo o portal Mil Radar, que monitora as atividades da aviação militar.


Sputnik

Segundo mostram as fotos publicadas no Twitter, um avião de reconhecimento RC-135V estadunidense, que saiu da base de Mildenhall no Reino Unido, sobrevoou o mar Báltico e a Polônia perto da região russa de Kaliningrado.


Avião de reconhecimento da Força Aérea dos EUA RC-135 (foto de arquivo)
Boeing RC-135 da USAF © AFP 2018 / GREG DAVIS / USAF

O outro avião, um Boeing P-8A Poseidon da Força Aérea dos EUA, decolou da base de Amari na Estônia e também realizou um voo sobre o mar Báltico perto da fronteira russa.

Em 2 de maio, a mídia estadunidense informou que um caça russo Su-27 tinha interceptado um avião antissubmarino norte-americano Boeing P-8 Poseidon sobre o Báltico, descrevendo que as ações do piloto russo não representaram risco mas não foram profissionais.

O Ministério da Defesa da Rússia, por sua parte, relatou que, apenas na última semana de abril, 17 aviões estrangeiros realizaram voos de reconhecimento perto das fronteiras russa. Caças russos levantaram voo dez vezes para interceptar e escoltar estas aeronaves.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas