Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Aviões norte-americanos realizam reconhecimento perto das fronteiras russas

Dois aviões norte-americanos realizaram voos de reconhecimento perto das fronteiras da Rússia, segundo o portal Mil Radar, que monitora as atividades da aviação militar.


Sputnik

Segundo mostram as fotos publicadas no Twitter, um avião de reconhecimento RC-135V estadunidense, que saiu da base de Mildenhall no Reino Unido, sobrevoou o mar Báltico e a Polônia perto da região russa de Kaliningrado.


Avião de reconhecimento da Força Aérea dos EUA RC-135 (foto de arquivo)
Boeing RC-135 da USAF © AFP 2018 / GREG DAVIS / USAF

O outro avião, um Boeing P-8A Poseidon da Força Aérea dos EUA, decolou da base de Amari na Estônia e também realizou um voo sobre o mar Báltico perto da fronteira russa.

Em 2 de maio, a mídia estadunidense informou que um caça russo Su-27 tinha interceptado um avião antissubmarino norte-americano Boeing P-8 Poseidon sobre o Báltico, descrevendo que as ações do piloto russo não representaram risco mas não foram profissionais.

O Ministério da Defesa da Rússia, por sua parte, relatou que, apenas na última semana de abril, 17 aviões estrangeiros realizaram voos de reconhecimento perto das fronteiras russa. Caças russos levantaram voo dez vezes para interceptar e escoltar estas aeronaves.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas