Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares juntam-se à polícia em protesto dos "coletes amarelos". Há 31 detidos

Os militares da operação antiterrorista "Sentinela" foram mobilizados para proteger as principais instituições francesas. Ao final da manhã, os coletes amarelos eram ainda em pequeno número na capital e quase invisíveis entre a população.
Diário de Notícias

As forças armadas francesas juntaram-se à polícia, este sábado, em Paris, para enfrentar o 19º fim de semana consecutivo de protestos dos coletes amarelos contra o governo do presidente Emmanuel Macron. Ao final da manhã, com os locais habituais de manifestação interditos e o reforço militar junto às principais instituições francesas, os "coletes amarelos" passavam quase despercebidos entre turistas e parisienses.

Segundo a Reuters, o governo francês decidiu mobilizar os militares da operação antiterrorista "Sentinela", depois de ter proibido os manifestantes de se reunirem nos Campos Elísios, onde no último fim de semana dezenas de lojas foram destruídas e algumas completamente pilhadas.

Além da presença …

China denuncia Marinha dos EUA por entrar em águas chinesas

Pequim critica os navios da Marinha dos EUA por entrarem nas águas territoriais das Ilhas Paracel sem permissão expressa das autoridades chinesas, disse neste domingo (27) o chefe do gabinete de informação do Ministério da Defesa Nacional da China, Wu Qian.


Sputnik

"Os navios da Marinha dos EUA entraram nas águas territoriais perto das ilhas de Xisha [Paracel] sem uma autorização das autoridades chinesas em 27 de maio", disse Wu.

O destróier Hefei da classe 052D da Marinha chinesa chega a Baltiysk para os treinamentos da China e da Rússia Cooperação Naval 2017
Destroier chinês Hefei, da Classe 052D © Sputnik / Igor Zarembo

O representante do ministério chamou essas manobras de provocação, "uma violação das leis chinesas e das leis internacionais correspondentes, uma grave violação não cerimonial da soberania territorial chinesa, que mina a confiança mútua estratégica dos dois países".

Segundo Wu, a China enviou aviões militares para avisar os navios dos EUA e pedir-lhes para sair das águas territoriais.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Lu Kang, pediu que Washington pare as provocações, disse, no domingo.

"O lado chinês transmitiu ao lado dos EUA sua grave insatisfação e forte objeção sobre as ações em questão. Estamos insistindo fortemente que o lado norte-americano interrompa imediatamente tais atividades provocativas, minando a soberania e ameaçando a segurança nacional da China", disse o porta-voz em um comunicado.

O representante do Ministério das Relações Exteriores chinês enfatizou que Pequim continuará fazendo todo o necessário para garantir a segurança do país.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas