Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

China reafirma apoio à causa palestina e condena violência israelense

China reafirmou hoje seu apoio ao direito da Palestina a ter um Estado próprio, depois de rechaçar e manifestar preocupação pela violência de Israel com saldo mortal contra uma manifestação civil na faixa de Gaza.


Prensa Latina
Beijing - Lu Kang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores, reiterou que seu Governo respalda a causa justa do povo palestino a restaurar o direito à livre determinação e a dispor de um Estado independente e soberano, com sua capital em Jerusalém Oriental e as fronteiras prévias a 1967.

Lu Kang, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China | Reprodução

Qualificou de sensível e complicado o tema do status dessa cidade, ao expressar séria preocupação e oposição aos enfrentamentos que deixaram pelo menos 58 pessoas mortas e mais de duas mil feridas.

Lu urgiu às partes, especialmente a Israel, de abster-se de piorar a situação, resolver os problemas pela via do diálogo e em concordância com as resoluções da Organização das Nações Unidas.

'As negociações de paz entre Palestina e Israel devem ser retomadas o mais rápido possível para tentar uma resolução final ao status de Jerusalém', enfatizou o porta-voz da chancelaria, e chamou a comunidade internacional a cooperar com esse objetivo.

Com suas declarações, China soma-se à onda de condenação mundial ao ataque armado de militares israelenses contra uma manifestação ontem em Gaza que rejeitava a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, em violação de vários acordos internacionais.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas