Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Coreia do Sul e EUA começam manobras aéreas

Exercícios contarão com centenas de caças e bombardeiros, e, pela primeira vez, com caças com tecnologia furtiva F-22 Raptor.


EFE


A Coreia do Sul e os Estados Unidos iniciam, nesta sexta-feira (11), a manobra aérea conjunta anual em grande escala, em uma demonstração de força que acontece um mês antes da realização da esperada cúpula entre Washington e Pyongyang.

Resultado de imagem para Coreia do Sul e EUA começam manobras aéreas
F-22 Raptor da USAF | KIM HONG-JI

Os exercícios se prolongarão durante duas semanas e acontecem depois que Seul e Washington alteraram as datas de outras das suas manobras conjuntas frequentes, por ocasião da cúpula intercoreana de final do mês passado.

O desdobramento aéreo incluirá uma centena de caças e bombardeiros, e pela primeira vez contará com caças com tecnologia furtiva F-22 Raptor, segundo afirmaram fontes do Ministério da Defesa sul-coreana à agência "Yonhap".

A mesma fonte disse que o objetivo destas operações é melhorar as capacidades aéreas dos aliados, em um momento de tentativa de paz na península após o diálogo aberto com Pyongyang que propiciou a realização da histórica cúpula entre o presidente do Sul, Moon Jae-in, e o líder do Norte, Kim Jong-un.

Como parte deste processo, Seul e Washington alteraram seus planos para as outras citadas manobras anuais para favorecer o atual degelo com a Coreia do Norte, que tradicionalmente condenava estes jogos de guerra.

Pyongyang considera que se trata de testes para invadir seu território e habitualmente respondeu às manobras com testes de mísseis.

No entanto, este ano o fechado regime expressou, em reunião com oficiais sul-coreanos no mês de março, sua compreensão em torno da necessidade que Washington e Seul têm em realiza-los.

O líder norte-coreano e o presidente americano, Donald Trump, se reunirão no próximo dia 12 de junho, em Singapura, para tratar a desnuclearização da Coreia, segundo anunciou na véspera o governante da Casa Branca.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas