Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Engenheiros estadunidenses conseguem criar 'capa de invisibilidade' para submarinos

Os físicos e engenheiros norte-americanos desenvolveram um metamaterial que torna qualquer objeto submarino "transparente" para as ondas sonoras e invisível ao sonar. Os cientistas apresentaram seu invento durante a reunião anual da Sociedade Acústica dos EUA, em Washington.


Sputnik

"A ideia deste tipo de material por enquanto parece muito abstrata, impossível de ser implementada. Por outro lado, cálculos matemáticos mostram que todas essas propriedades são reais. Estamos agora criando estes materiais e tentando entender mais sobre suas capacidades" comentou Amanda Hanford, da Universidade da Pensilvânia, na Filadélfia (EUA).


Os físicos dos EUA criaram "chapéu invisível" para submarinos

Experiências dos últimos 10 anos têm demonstrado que é possível configurar metamateriais para que interajam não só com a luz e radiação térmica, ultravioleta ou raios-X, mas também com campos magnéticos, e produzam efeitos quânticos, chamados pelos físicos de "cristais do tempo".

De acordo com Hanford, os cientistas já criaram dezenas de estruturas semelhantes que refletem perfeitamente ou deixam passar as ondas sonoras, mas todas elas funcionam apenas ao ar livre.

As "camadas de invisibilidade" acústicas que funcionam debaixo d'água são muito mais difíceis de serem desenvolvidas, já que a água é muito mais densa e não se contrai, ao contrário do ar.

Os engenheiros norte-americanos conseguiram resolver esse problema usando os metamateriais que refletem as ondas de modo que o espectador ache que está vendo o fundo plano do mar, rio ou oceano.

A sua estrutura é semelhante à de uma pirâmide de um metro de altura, coberta com uma multiplicidade de chapas de aço com muitos orifícios que absorvem e transformam as vibrações sonoras. Os cientistas acreditam que, no futuro, será possível alterar facilmente o tamanho dessa estrutura, que protegerá os objetos no fundo do mar de vibrações de alta frequência e esconderá os submarinos de sonares e batiscafos.

Nos últimos anos, os cientistas têm estudado ativamente as propriedades dos metamateriais: estruturas artificiais de muitas peças ou nanopartículas, capazes de interagir com a luz de uma maneira incomum. Os metamateriais, de acordo com os físicos, formarão a base dos computadores fotônicos ultrarrápidos e outros dispositivos do futuro.

Na verdade, metamateriais não são uma invenção humana, pois estruturas semelhantes podem ser encontradas nas asas de borboletas de cor metálica, nas carapaças de muitos insetos, bem como nas asas das aves.

Postar um comentário