Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Erdogan diz que não deixará Israel roubar Jerusalém

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, disse hoje que se Israel continuar livre para fazer o que quiser no Oriente Médio, o mundo se tornará um caos. De acordo com o líder turco, Ancara não permitirá que Israel roube Jerusalém para si.


Sputnik

Em duro discurso nesta quarta-feira, o chefe de Estado afirmou que a Organização das Nações Unidas sofreu um colapso nos últimos dias diante dos graves eventos ocorridos em Gaza, onde militares israelenses mataram dezenas de manifestantes palestinos e deixaram centenas de feridos. A violência na região teve como pano de fundo os inúmeros protestos realizados por cidadãos da Palestina contra a transferência da Embaixada dos Estados Unidos de Tel Aviv para Jerusalém, cidade sagrada para cristãos, judeus e muçulmanos e considerada em parte como futura capital do Estado palestino.

Presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan (Arquivo)
Recep Tayyip Erdogan © AFP 2018 / STR / TURKISH PRESIDENTIAL PRESS OFFICE

Ontem, demonstrando revolta com a situação, a Turquia decidiu convocar seus embaixadores em Washington e Tel Aviv para consultas. Em meio a isso, Erdogan se referiu a Israel como um Estado terrorista, acusando os israelenses de estarem cometendo um genocídio contra os palestinos. O líder turco também convidou o embaixador israelense em Ancara a deixar o país, medida que foi prontamente respondida por Israel, que solicitou também a saída do cônsul-geral da Turquia em Jerusalém. Nesta quarta-feira, o cônsul israelense em Istambul também foi informado que deveria deixar a Turquia.

Israel tem travado por décadas um sangrento conflito com os palestinos, que buscam até hoje o reconhecimento internacional e a criação de um Estado próprio na região. Ambos os povos consideram Jerusalém sua capital, razão pela qual a cidade é considerada internacionalmente um território em disputa, não devendo ser reconhecida como capital de qualquer Estado até que a situação seja resolvida. Recentemente, no entanto, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decidiu reconhecer oficialmente Jerusalém como capital do Estado israelense, e anunciando a transferência da embaixada norte-americana de Tel Aviv para lá, o que provocou uma série de revoltas no mundo islâmico como um todo, mas principalmente na Palestina.

Postar um comentário