Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Erdogan: EUA são 'parte do problema', não solução, ao mudar embaixada para Jerusalém

Ao transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, Washington prefere ser parte do problema no Oriente Médio, em vez de trabalhar em busca de uma solução, disse o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.


Sputnik

"Os Estados Unidos escolheram ser parte do problema, e não a solução com seu último passo, e perderam seu papel de mediador no processo de paz", disse Erdogan em um discurso na Chatham House, nesta segunda-feira, como citado pela Agência Reuters.

Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquía
Recep Tayyip Erdogan © REUTERS / Osman Orsal

A declaração acontece no mesmo dia em que os EUA irão transferir sua embaixada de Tel Aviv para Jerusalém, em um dia que marca o aniversário da fundação de Israel de acordo com o calendário civil.

Washington se prepara para a medida desde que o presidente estadunidense Donald Trump reconheceu formalmente Jerusalém como a capital de Israel, em dezembro de 2017. Embora este movimento tenha sido saudado por Israel, os EUA receberam uma condenação generalizada de outros países e organismos mundiais, incluindo a ONU e a União Europeia (UE).

Ancara foi um dos maiores críticos da decisão de Trump, com o ministro de Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, classificando a decisão como "errada e inaceitável" na época. Em fevereiro, o ministério escreveu em comunicado que o movimento dos EUA prova que Washington "insiste em destruir os fundamentos da paz violando a lei internacional, as resoluções do Conselho de Segurança da ONU sobre Jerusalém e os parâmetros estabelecidos pela ONU".

Cidadãos turcos também se manifestaram contra o movimento, com milhares de pessoas indo às ruas de Istambul para protestar na última sexta-feira. Elas mantiveram cartazes que diziam "a Palestina pertence aos palestinos" e "Al-Quds (nome árabe para Jerusalém) pertence aos muçulmanos".

A mudança da embaixada é apenas uma das muitas tensões que cercam Washington e Ancara. Os dois membros da OTAN também entraram em confronto com a Operação Ramo de Oliveira, que foi lançada contra os combatentes curdos em Afrin em 20 de janeiro. Isso levou um comandante norte-americano a declarar que a Turquia enfrentaria uma resposta aguda se atingisse Manbij como parte da operação.

Erdogan retrucou dizendo que "aqueles que dizem que vão 'dar uma resposta afiada' se foram atingidos, não foram atingidos pelo tapa otomano". Esta observação foi em referência a um movimento turco de artes marciais que envolve um tapa com a palma aberta que acerta o adversário, resultando em um nocaute com fraturas de crânio que pode levar à morte.

As tensões também atingiram o ponto de ebulição em outubro, quando a Turquia prendeu um funcionário do consulado dos EUA por supostos laços com o clérigo exilado Fethullah Gülen, a quem Ancara culpa pela tentativa frustrada de golpe de 2016. A Turquia criticou os EUA por se recusarem a extraditar Gülen, que mora na Pensilvânia, enquanto Washington e outros governos ocidentais criticaram a Turquia por sua repressão pós-golpe.

Protestos também estão em andamento em Gaza para denunciar o movimento da embaixada. Forças israelenses mataram 18 manifestantes palestinos na segunda-feira, com duas crianças entre as vítimas fatais, segundo autoridades de saúde palestinas. Mais de 500 manifestantes foram feridos, segundo relatos. As Forças Armadas israelenses também jogaram panfletos e jogaram gás lacrimogêneo na área na segunda-feira de manhã, alertando os palestinos a ficarem longe da fronteira com Israel.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas