Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Erdogan: situação de Jerusalém é 'linha vermelha' para mundo muçulmano

O status de Jerusalém é uma "linha vermelha" para o mundo muçulmano, disse o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ao encerrar uma reunião extraordinária da Organização para a Cooperação Islâmica em Istambul nesta de sexta-feira (18).


Sputnik

"Hoje realizamos uma reunião muito importante do ponto de vista do apoio aos palestinos e do sinal enviado a Israel, destacamos em nossa decisão conjunta que Jerusalém é nossa 'linha vermelha", manifestou Erdogan em uma entrevista coletiva transmitida pela emissora turca NTV.

Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquia (foto de arquivo)
Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan © REUTERS / Osman Orsal

O líder reiterou que os muçulmanos não reconhecem a decisão dos EUA sobre a transferência de sua embaixada para aquela cidade e consideram que a política levada a cabo por Washington apenas contribui para incitar ainda mais Israel.

"As autoridades dos EUA castigaram os palestinos, enquanto Israel, ao violar a lei internacional, foi recompensado", frisou o presidente turco.

Além disso, comparou o mandato do atual presidente dos EUA, Donald Trump, com o do ex-presidente George W. Bush, que "também era republicano, mas apoiava tanto Israel como a Palestina".

Erdogan apontou para a necessidade da criar um comitê internacional para investigar os crimes de Israel cometidos na Faixa de Gaza.

"Israel deve responder por seus crimes, pedimos a todos os países que reconheçam oficialmente Jerusalém Oriental como a capital palestina", acrescentou.

Na segunda-feira (14), as Forças Armadas de Israel lançaram uma ofensiva militar contra a população palestina que estava protestando contra o 70º aniversário da criação do Estado de Israel e a abertura da embaixada americana em Jerusalém.

Os confrontos resultaram em 61 palestinos mortos e mais de 2.700 feridos, segundo relatam as fontes médicas palestinas.

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, decretou três dias de luto nacional pelos manifestantes mortos. Nesse mesmo dia, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, rotulou Israel como um "Estado terrorista" e suas ações em relação aos palestinos, de "genocídio".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas