Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel prende o governador palestino de Jerusalém

Motivo da detenção foram crimes cometidos na Cisjordânia ocupada, segundo a Organização para a Libertação da Palestina.
France Presse

Israel prendeu o governador palestino de Jerusalém por crimes que teria cometido na Cisjordânia ocupada, que não foram especificados, informou a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O governador Adnan Gheith foi detido no sábado (20) à noite no bairro palestino de Beit Hanina, em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel. Será apresentado a um tribunal dentro de quatro dias, afirma a OLP em um comunicado.

Para o dirigente da OLP Saeb Erakat, a detenção é "um novo passo contra a presença palestina em Jerusalém" e constitui uma violação da legislação israelense a respeito das instituições palestinas da cidade.

"As ameaças contra dirigentes palestinos, sua detenção, inclusive o 'sequestro' do governador Gheith, são parte de um plano que pretende sufocar todas as bases de uma solução política com dois Estados e com as f…

Erdogan: situação de Jerusalém é 'linha vermelha' para mundo muçulmano

O status de Jerusalém é uma "linha vermelha" para o mundo muçulmano, disse o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, ao encerrar uma reunião extraordinária da Organização para a Cooperação Islâmica em Istambul nesta de sexta-feira (18).


Sputnik

"Hoje realizamos uma reunião muito importante do ponto de vista do apoio aos palestinos e do sinal enviado a Israel, destacamos em nossa decisão conjunta que Jerusalém é nossa 'linha vermelha", manifestou Erdogan em uma entrevista coletiva transmitida pela emissora turca NTV.

Recep Tayyip Erdogan, presidente de Turquia (foto de arquivo)
Presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan © REUTERS / Osman Orsal

O líder reiterou que os muçulmanos não reconhecem a decisão dos EUA sobre a transferência de sua embaixada para aquela cidade e consideram que a política levada a cabo por Washington apenas contribui para incitar ainda mais Israel.

"As autoridades dos EUA castigaram os palestinos, enquanto Israel, ao violar a lei internacional, foi recompensado", frisou o presidente turco.

Além disso, comparou o mandato do atual presidente dos EUA, Donald Trump, com o do ex-presidente George W. Bush, que "também era republicano, mas apoiava tanto Israel como a Palestina".

Erdogan apontou para a necessidade da criar um comitê internacional para investigar os crimes de Israel cometidos na Faixa de Gaza.

"Israel deve responder por seus crimes, pedimos a todos os países que reconheçam oficialmente Jerusalém Oriental como a capital palestina", acrescentou.

Na segunda-feira (14), as Forças Armadas de Israel lançaram uma ofensiva militar contra a população palestina que estava protestando contra o 70º aniversário da criação do Estado de Israel e a abertura da embaixada americana em Jerusalém.

Os confrontos resultaram em 61 palestinos mortos e mais de 2.700 feridos, segundo relatam as fontes médicas palestinas.

O presidente da Palestina, Mahmoud Abbas, decretou três dias de luto nacional pelos manifestantes mortos. Nesse mesmo dia, o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, rotulou Israel como um "Estado terrorista" e suas ações em relação aos palestinos, de "genocídio".

Postar um comentário

Postagens mais visitadas