Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.


Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

Resultado de imagem para militar frances siria
Contingente militar francês é flagrado na Síria | Reprodução

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não podem se tornar realidade devido à atual vantagem das forças do governo e aliados", comentou o analista.

Ele acrescentou que mesmo o último ataque contra a Síria não provocou danos significativos.

"Os agressores informaram previamente sobre os alvos do ataque. Isso foi feito para salvar a imagem dos governos ocidentais perante seus próprios povos", disse.

A detenção de militares estrangeiros proporciona uma dupla vantagem para o governo sírio: primeiro, eles foram incapazes de realizar suas missões, e depois isto é mais um trunfo na mesa de negociações com as forças estrangeiras.

"O acordo de paz sírio depende diretamente da situação no campo de batalha. E agora os agressores recuam constantemente, eles não conseguem realizar nenhum ataque contra as posições do exército. Portanto, o governo sírio pode apresentar suas próprias condições", conclui o analista.

Comentários

Postagens mais visitadas