Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeiro voo do Aero L-159T2

A Aero Vodochody realizou o primeiro voo do treinador a jato L-159T2 de dois lugares em 1º de agosto. O voo de 30 minutos foi conduzido pelos pilotos de testes da empresa Vladimír Kvarda e David Jahoda.
Poder Aéreo

A Força Aérea Tcheca encomendou três exemplares em 2016, que devem ser entregues até o final deste ano. As aeronaves L-159 são operadas pelas forças aéreas tcheca e iraquiana, pela empresa americana Draken International e, no passado, foram alugadas pela Força Aérea Húngara para treinamento de pilotos.

Estas novas aeronaves de assento duplo T2 têm uma fuselagem central e dianteira recém-construída e apresentam várias melhorias significativas, principalmente em equipamentos de cockpit e sistema de combustível, e são totalmente compatíveis com o NVG. Cada cockpit é equipado com duas telas multifuncionais e um assento de ejeção VS-20 atualizado. A aeronave também pode oferecer uma capacidade de reabastecimento sob pressão. O radar GRIFO, já em uso na versão de um único assento, a…

Especialista holandês: tudo aponta que Ucrânia é culpada pela catástrofe do MH17

A promotoria holandesa afirmou possuir provas de que o sistema de mísseis que em 2014 abateu o avião civil da Malaysia Airlines, sobre o sudoeste da Ucrânia, pertencia às Forças Armadas russas. O correspondente da Sputnik pediu a opinião do proeminente cientista político da Holanda, Kees van der Pijl.


Sputnik

Comentando a coletiva à Sputnik Internacional, o analista destacou que não foi divulgada nenhuma informação nova quanto ao assunto. Segundo ele, o mais notável foi o apelo às testemunhas após quatro anos decorridos desde a catástrofe.

Buscas no local da queda do avião Boeing do voo MH17
Local da queda do voo MH17 © Sputnik / Andrei Stenin

"A maior parte dos presentes fazia perguntas muito simples, mas a última foi de uma mulher da TV australiana, ela disse: 'Se vocês ainda estão pedindo para as testemunhas aparecerem, isso soa bastante desesperado', e eu senti o mesmo", assinalou.

"Eu pensaria que à luz da Copa do Mundo na Rússia, que virá à tona daqui a três semanas, o caso Skripal e esta coletiva, em que familiares dos falecidos na catástrofe afirmaram que 'os russos querem viver em um país sem verdade' – tudo isso faz parte de uma campanha antirrussa", afirmou Kees van der Pijl.

Ele se disse surpreendido porque "tudo aquilo justificava tão pouco a realização de uma coletiva de imprensa oficial".

O analista apontou para que todos os fatos responsabilizam a Ucrânia pela catástrofe que aconteceu no sudeste ucraniano em 2014.

"Quatro regimentos ucranianos possuem sistemas de defesa antiaérea Buk, e um deles se encontrava naquela área. Todos seus radares estavam ativados, o que significa que o sistema estava preparado para combate", opinou.

Kees van der Pijl assinalou que Kiev, tal como a OTAN, tinham motivos para desencadear uma provocação contra a Rússia.

"Acredito que tudo aponte para a Ucrânia, porque eles tinham um motivo, precisavam de tempo para avançar, entretanto também havia um motivo por parte da OTAN – mostrar o presidente russo, Vladimir Putin, como se fosse um novo demônio a quem era preciso resistir, porque naquela época em Gales estava decorrendo uma importante cúpula da OTAN."

O especialista qualificou a conferência como "extremamente inconvincente".

"Eu não entendi porque ela estava sendo realizava exatamente agora, o que havia de novo que não sabíamos antes? Parecia que eles precisavam inventar algo, mas não tinham nada, por isso resolveram utilizar informações antigas", ressaltou o analista.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas