Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que alguns países ocidentais não querem libertação de Idlib?

A libertação de Idlib marcará a vitória total das forças governamentais e o fracasso dos planos de países ocidentais de derrubar as autoridades legítimas sírias.
Sputnik

No entanto, segundo Pierre Le Corf, ativista francês que vive em Aleppo, a tarefa não será fácil. 


"Será muito difícil libertar Idlib, porque todas as forças da coalizão lideradas pelos EUA e governos [ocidentais] envolvidos na guerra até o momento se opõem à libertação da província", disse Le Corf à Sputnik França.

Ele comentou que assim que a província síria de Idlib for libertada, terá que "libertar as zonas ocupadas ilegalmente pelos EUA, França e até pela Itália no norte do país". Por esse motivo, nenhum desses países quer a libertação da província.

Le Corf salientou que a intenção de manter o status atual poderia levar a "um massacre da população civil de Idlib", referindo-se às múltiplas advertências dos militares sírios e russos sobre a possível encenação de ataques químicos com o prop…

Estônia começa maiores manobras militares na história do país

Das manobras internacionais Siil participarão 15 mil militares, informou o quartel-general do exército do país.


Sputnik

Segundo o comunicado, os exercícios serão realizados entre 2 e 14 de maio no território de todo o país e no norte da Letônia.


Soldados estonianos durante a parada militar em Narva, Estônia
Militares estonianos © AFP 2018 / RAIGO PAJULA

As manobras serão as maiores desde a proclamação da independência do país. Delas participarão militares de 15 países, bem como os combatentes da milícia popular, funcionários da polícia e equipes de resgate.

Anteriormente, foi informado que em maio e junho de 2018 na Letônia serão efetuadas cinco manobras de grande escala.

Em julho de 2016, a OTAN aprovou um aumento sem precedentes de sua presença militar na Europa Oriental, mais especificamente na Estônia, Letônia, Lituânia e Polônia, ao decidir introduzir batalhões multinacionais de mais de mil soldados em cada país.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas