Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

EUA têm medo que Rússia e China 'enganem' seus satélites espiões

A Marinha dos EUA lançou um projeto de pesquisa com objetivo de descobrir se Rússia e China são capazes de camuflar seus armamentos e escondê-los dos satélites e drones de reconhecimentos norte-americanos.


Sputnik

Segundo escreve o jornal The National Interest, drones de reconhecimento podem transferir grande fluxo de informação, inclusive imagens de tanques e sistemas de mísseis. Para analisar tal volume de dados é necessário ter inteligência artificial, mas esta pode ser facilmente enganada. Por exemplo, um computador pode confundir um tanque russo bem camuflado até com um carro.

Satélite no espaço (imagem referencial)
CC0 / Pixabay

Portanto, a Marinha dos EUA tenciona descobrir o método usado para iludir a inteligência artificiai, escreve o jornal.

"Tecnologias eficazes devem causar erros na classificação de imagens tiradas de diferentes ângulos (+/- 45º) e distâncias (de 25 metros até ao espaço)", destacam fontes na Marinha dos EUA.

Atualmente a investigação está apontada apenas aos métodos de camuflagem dos adversários — não há sinais que indiquem que o Pentágono também deva esconder seu arsenal dos sistemas russos e chineses, sublinha.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas