Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Fuzileiros Navais do Brasil e dos EUA ratificam acordo de cooperação

Diálogo conversou com o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil (MB) Nélio de Almeida para conhecer detalhes dessa parceria
Por Marcos Ommati | Diálogo Américas | Poder Naval

Criar mais oportunidades de intercâmbio de conhecimento e treinamento combinado entre os Fuzileiros Navais do Brasil e dos Estados Unidos. Este é o objetivo principal de um plano de cinco anos ratificado em fevereiro de 2019 entre os representantes de ambas as forças, o Contra-Almirante (FN) da Marinha do Brasil Nélio de Almeida, comandante do Desenvolvimento Doutrinário do Corpo de Fuzileiros Navais (CFN) do Brasil e presidente nacional da Associação de Veteranos desta força, e o Contra-Almirante Michael F. Fahey III, comandante do Corpo de Fuzileiros Navais Sul dos EUA (MARFORSOUTH, em inglês). O C Alte Nélio recebeu Diálogo em seu escritório na Ilha do Governador, Rio de Janeiro, para dar detalhes do acordo e conversar sobre outros temas de interesse das marinhas do Brasil e de outros países da região e dos E…

Exército brasileiro pode ter participado de chacina que matou 8, diz Human Rights Watch

Após ouvir testemunhas e examinar depoimentos de policiais presentes na cena do crime, a ONG Human Rights Watch afirmou nesta sexta-feira (11) que há indícios de que membros do Exército participaram da Chacina do Salgueiro, em São Gonçalo, Rio de Janeiro, que deixou oito mortos em 11 de novembro de 2017.


Sputnik

Seis meses após o incidente, ninguém foi punido. 


Exército faz operação na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro.
Operação do Exército no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro © Foto : Tomaz Silva/Agência Brasil

A ONG afirma que as testemunhas e os depoimentos apontam que as roupas e os equipamentos dos assassinos correspondem aos dos homens do Exército que chegaram ao local minutos depois.

Um dos sobreviventes contou que homens atiraram de uma mata da região em direção a uma via pública do Complexo do Salgueiro. Os assassinos vestiam preto, tinham o rosto coberto, usavam luvas, lanternas em seus capacetes, e carregavam rifles equipados com lanternas e visão a laser, contou o sobrevivente.

O Comando Militar do Leste reconheceu ao jornal Extra que usou helicópteros em 7 de novembro de 2017 para transportar militares para zonas de mata no Complexo do Salgueiro.

As testemunhas também afirmam que integrantes da Polícia Civil e do Exército que foram ao local não prestaram socorro aos feridos e dificultaram as atividades quem tentou resgatá-los. A legislação brasileira prevê prisão para quem deixar de socorrer uma pessoa ferida caso esta vítima venha a falecer.

O laudo de um perito criminal obtido pela Human Rights Watch afirmou que os corpos haviam sido removidos e que a cena do crime não havia sido preservada.


Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas