Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Exército brasileiro pode ter participado de chacina que matou 8, diz Human Rights Watch

Após ouvir testemunhas e examinar depoimentos de policiais presentes na cena do crime, a ONG Human Rights Watch afirmou nesta sexta-feira (11) que há indícios de que membros do Exército participaram da Chacina do Salgueiro, em São Gonçalo, Rio de Janeiro, que deixou oito mortos em 11 de novembro de 2017.


Sputnik

Seis meses após o incidente, ninguém foi punido. 


Exército faz operação na favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, zona norte do Rio de Janeiro.
Operação do Exército no Complexo da Maré, no Rio de Janeiro © Foto : Tomaz Silva/Agência Brasil

A ONG afirma que as testemunhas e os depoimentos apontam que as roupas e os equipamentos dos assassinos correspondem aos dos homens do Exército que chegaram ao local minutos depois.

Um dos sobreviventes contou que homens atiraram de uma mata da região em direção a uma via pública do Complexo do Salgueiro. Os assassinos vestiam preto, tinham o rosto coberto, usavam luvas, lanternas em seus capacetes, e carregavam rifles equipados com lanternas e visão a laser, contou o sobrevivente.

O Comando Militar do Leste reconheceu ao jornal Extra que usou helicópteros em 7 de novembro de 2017 para transportar militares para zonas de mata no Complexo do Salgueiro.

As testemunhas também afirmam que integrantes da Polícia Civil e do Exército que foram ao local não prestaram socorro aos feridos e dificultaram as atividades quem tentou resgatá-los. A legislação brasileira prevê prisão para quem deixar de socorrer uma pessoa ferida caso esta vítima venha a falecer.

O laudo de um perito criminal obtido pela Human Rights Watch afirmou que os corpos haviam sido removidos e que a cena do crime não havia sido preservada.


Postar um comentário