Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.
Sputnik

Antes de tudo, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia. 

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

"…

Falta de voluntários obriga Marinha portuguesa a fazer três cursos para fuzileiros

Falta de efetivos é justificada principalmente com a ausência quase total de participação das unidades combatentes de fuzileiros nas missões externas de paz iniciadas em 1996


Manuel Carlos Freire | Diário de Notícias

A Marinha vai realizar este ano, pela primeira vez, três cursos para recrutar praças para o Corpo de Fuzileiros, após o segundo de 2018 ter recebido pouco mais de metade das candidaturas necessárias.


Militares portugueses | Foto Gerardo Santos/Global Imagens

Com um défice atual de efetivos nos Fuzileiros da ordem dos 20%, na sua maioria praças nos regimes de voluntariado e contrato, o porta-voz da Marinha disse ontem ao DN que o segundo curso deste ano para as forças especiais recebeu, até 27 de abril, cerca de 345 candidaturas via internet - 27 de mulheres - das seis centenas consideradas necessárias para iniciar a recruta com cem voluntários. Contudo, só 180 dos 345 candidatos formalizaram o processo, dos quais cinco mulheres, adiantou o comandante Pereira da Fonseca.

Para o curso de oficiais, foram recebidas 120 candidaturas - 11 de mulheres - até 4 de maio por via digita para as 24 vagas existentes. Porém, apenas 68 foram formalizadas (62 homens e seis mulheres).

Pereira da Fonseca explicou que as elevadas taxas de chumbos registadas neste tipo de processos justificam receber um número de inscrições cinco ou seis vezes maior do que o das incorporações na recruta. Isso decorre da necessidade de prever as eliminações decorrentes da alteração de planos dos próprios candidatos antes de prestarem provas de classificação e seleção, de não satisfazerem as várias condições de admissão, de chumbarem nos exames médicos, nas provas físicas ou nos testes psicotécnicos.

O porta-voz do ramo assinalou ainda que a própria centena de candidatos com que idealmente se procura iniciar uma recruta para praças visa fazer face a uma taxa de atrição que, em regra, "ronda os 50%" ao longo do curso - e porque o número de vagas autorizadas a preencher é de 48 praças.

Os motivos dessas desistências ao longo da recruta são vários: dificuldades de adaptação à vida militar (diferenças entre expectativas iniciais e exigências de disponibilidade permanente), separação e distância da família, falta de preparação física e psicológica ou lesões. Exemplo disso são os dados do primeiro curso que está a decorrer e cuja recruta está a meio, referiu o porta-voz da Marinha: "Começou com 140 e já só tem 70" elementos.

Note-se que há precisamente dois anos, em maio de 2016, os resultados das candidaturas ao curso de praças da classe de fuzileiros revelaram a existência de 267 inscrições, das quais só 247 passaram à fase das provas. E para o primeiro curso de 2018, segundo os dados divulgados pela Marinha, tinham-se candidatado 357 jovens - mas só 140 iniciaram a recruta e 70 estão no curso.

Na prática, a especialidade com mais falta de pessoal na Marinha é precisamente a dos fuzileiros. Com a reestruturação de 2015, quando havia 1406 operacionais, foi reduzido o quadro orgânico de 1950 vagas para as atuais 1300. Porém, a redução contínua de efetivos fez que existissem 1230 militares em 2016, 1065 em 2017 e 1065 neste ano.

Contudo, assumiu Pereira da Fonseca, a missão militar de quatro meses na Lituânia que começa na próxima semana - no quadro das medidas de tranquilização da NATO junto dos aliados vizinhos da Rússia e que marca o regresso das unidades de fuzileiros às Forças Nacionais Destacadas - é vista como potencial fonte de atração e recrutamento para o corpo.

Isso mesmo foi assumido ao DN pelo chefe do Estado-Maior da Marinha na recente cerimónia de entrega do estandarte nacional ao contingente de 140 militares - 117 dos quais fuzileiros - que estão a ser projetados para a cidade lituana de Klaipéda. "Estas missões são fundamentais para os fuzileiros e tenho esperança de que elas possam continuar no futuro", realçou o almirante Mendes Calado, dada a consciência dos efeitos negativos que a "falta dessa oportunidade" causou na motivação daqueles operacionais.

"Sentia-se esta apetência de dar continuidade àquilo que era o treino" dessas forças especiais - e de operações especiais, como são os membros do Destacamento de Ações Especiais (DAE) - "para depois ser projetado" para os teatros de operações no exterior. E se essas missões se tornarem uma constante, isso vai "reforçar a capacidade de atrair gente para os fuzileiros e de dar a esta gente, que tem um treino intensíssimo, a oportunidade de mostrar as suas competências nas operações reais", enfatizou ainda o chefe do ramo. Implícito fica o outro grande fator de motivação desses militares, que são os acréscimos remuneratórios associados.

Para o ramo, a frustração de só treinar segundo padrões de combate e ter salários baixos ajuda também a explicar as dificuldades de retenção desses operacionais.

Exigência

O primeiro curso de fuzileiros para este ano tinha 242 vagas para contratados, 12 na categoria de oficiais e 230 na de praças. Mas se no primeiro caso foram incorporados os 12 candidatos e só cinco chegaram ao fim da recruta, iniciando o curso da especialidade, a situação ao nível dos praças foi bem diferente: para as referidas 230 vagas foram incorporados 140 voluntários e apenas 70 - menos de um terço das necessidades - concluíram a fase da recruta e estão agora a tirar a especialidade.

Corpo de Fuzileiros

O atual quadro de efetivos das forças especiais de Marinha tem 1030 militares, tanto dos quadros permanentes como dos regimes de contrato.

Défice de efetivos

O quadro orgânico dos fuzileiros é de 1300 militares, pelo que os 270 em falta - que são sobretudo praças - representam um quinto do total.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas