Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

General diz que não há risco de militares brasileiros cometerem erros

O secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto dos Santos Cruz, disse hoje (27) que as Forças Armadas estão preparadas para atuar na desobstrução de rodovias e que não há chance de os militares cometerem erros.


Por Andreia Verdélio | Agência Brasil

“Nosso pessoal é muito bem preparado, o prestígio que o Exército e as Forças Armadas têm são construídos pelo bom-senso, pela habilidade. Não existe o mínimo risco de se cometer qualquer erro, qualquer coisa fora de lei”, disse.

Resultado de imagem para Carlos Alberto dos Santos Cruz
Secretário nacional de Segurança Pública, Carlos Alberto dos Santos Cruz | Reprodução

General da reserva do Exército, Cruz conversou com a imprensa ao chegar, nesta manhã, no Palácio do Planalto para participar da reunião do gabinete de crise que monitora a paralisação dos caminhoneiros. A manifestação entra hoje (27) no sétimo dia e tem causado desabastecimento de combustíveis e alimentos em vários locais do país.

O general disse ainda que a Força Nacional não está atuando diretamente em operações nas rodovias porque tem um efetivo pequeno. “A Força Nacional está distribuída [em outras operações], não temos efetivo em reserva”, disse. “É um contingente pequeno, não é um contingente que possa influir decisivamente em qualquer ação”.

Hoje, a Força Nacional está com 1,2 mil homens, atuando em 16 operações em 11 estados, como no combate ao roubo de cargas no Rio de Janeiro e no apoio a equipes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e da Fundação Nacional do Índio (Funai) no Pará e da Polícia Federal na fonteira com o Paraguai. Um pequeno efetivo foi enviado para Minas Gerais para auxiliar especificamente nessa operação nas rodovias e, se houver necessidade, outros poderão ser deslocados para outros locais.

Sobre as reivindicações dos caminhoneiros autônomos, Cruz disse que são interesses naturais de categorias que estão pressionadas pela sua necessidade. “Espero que se chegue a uma conclusão, são coisas que precisamos regularizar para o bem-estar de todo mundo. Não é uma questão de ver o certo ou errado, mas de regularizar”, disse.

A reunião do gabinete de crise teve início antes das 10h. O presidente Michel Temer chegou há pouco no Palácio do Planalto para participar das discussões.

Comentários

Postagens mais visitadas