Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Ghasemi nega acordo com a UE para conter a influência regional do Irã

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores iraniano disse que as recentes conversas entre Irã e E4 em Roma visam alcançar uma solução política para a crise do Iêmen e que os dois lados não fizeram nenhum novo acordo para conter a influência regional do Irã.


Pars Today

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Ghasemi, fez as declarações em sua coletiva de imprensa semanal na segunda-feira em resposta a uma pergunta sobre as tentativas de Trump de conter a influência regional do Irã.


Ghasemi nega acordo com a UE para conter a influência regional do Irã
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Ghasemi | Reprodução

"Nossas conversas se concentraram em maneiras de enviar ajuda humanitária ao povo iemenita", disse Ghasemi em referência a uma recente reunião do Irã-E4 realizada em Roma. "Estamos fazendo esforços para aliviar o sofrimento do povo iemenita e esperamos que os países responsáveis pela terrível situação no Iêmen permitam que a ajuda humanitária atinja essas pessoas oprimidas durante o mês sagrado do Ramadã".

Ele ressaltou que se Trump decidisse sair do acordo, a resposta do Irã seria "dolorosa" para os EUA e causaria muito arrependimento ao lado americano.

"Washington pagará um preço alto pela saída do acordo nuclear", disse ele. "Isso tornará o mundo ainda mais desconfiado dos EUA."

"O Irã não será o primeiro país a violar o JCPOA e, quando o acordo deixar de ser lucrativo para a nação iraniana, tomaremos as decisões necessárias", acrescentou.

Sobre a iniciativa de Marrocos de cortar relações diplomáticas com o Irã, Ghasemi disse que a decisão foi mais provavelmente influenciada pelo regime israelense e outros países hostis. Ele disse que a ação do Marrocos foi um flagrante erro estratégico, que não seria o primeiro a repassar o Irã desde a Revolução Islâmica.

Postar um comentário