Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Guterres diz que fórum sobre questão palestina é 'oportunidade para olhar em frente'

Encontro nas Nações Unidas junta especialistas, diplomatas e representantes da sociedade civil para discutir conflito entre Israel e Palestina até sexta-feira; discurso do chefe da ONU foi lido pela vice-secretária-geral, Amina Mohammed.


Alexandre Soares | ONU

Uma mensagem do secretário-geral, António Guterres, destaca que o 70º aniversário da Guerra de 1948 é uma “oportunidade para olhar em frente” em relação à questão palestina.

Chefe da ONU, António Guterres | ONU/Eskinder Debebe

O discurso foi lido pela vice-chefe da ONU, Amina Mohammed, na abertura de um fórum com o titulo “70 anos depois de 1948 – lições para alcançar uma paz sustentável”, que decorre até esta sexta-feira no Conselho de Tutela, em Nova Iorque. 

Confrontos

No pronunciamento, o chefe da ONU deplora “a perda trágica de vidas e o sofrimento em Gaza” dos últimos dias. Na segunda-feira, confrontos causaram a morte de pelo menos 48 pessoas e 1,3 mil feridos na cerca que divide Israel e Gaza.

Guterres disse que “a violência recente torna evidente a necessidade de ação.” Ele tornou a lembrar a necessidade de Israel “usar o máximo de contenção”, do Hamas “prevenir ações violentas” e a importância de investigar todas as mortes.

Para o secretário-geral, “a comunidade internacional falha, há demasiado tempo, em encontrar uma solução duradoura para a situação dos refugiados palestinos”. Segundo ele, os refugiados de há sete décadas e os seus descendentes são agora 5,3 milhões de pessoas.

Encontro

O encontro vai reunir especialistas israelitas e palestinos, representantes da comunidade diplomática e da sociedade civil. Segundo a organização, o objetivo é ter “um debate construtivo que apoie os esforços coletivos para lançar negociações credíveis” em direção à paz.

O chefe da ONU disse que o encontro também deve servir “para refletir sobre os custos e as consequências da Guerra de 1948, que resultou no deslocamento em massa e a retirada de suas casas de centenas de milhares de palestinos. ”

Ele acredita que “as vidas de gerações de palestinos e israelitas têm sido definidas por um conflito que moldou a sua paisagem física e humana sob uma atmosfera de medo e desconfiança mútua.”

Dois Estados

Guterres afirmou que “o estabelecimento de assentamentos e a sua expansão, ilegais segundo a lei internacional, contribui para mais deslocamento e é um grande obstáculo para alcançar uma solução de dois Estados.”

O chefe da ONU explicou que “a paz requer vontade política e coragem de todos os lados. ” Quanto à comunidade internacional, “precisa de trabalhar para um resultado em que o medo é substituído pela dignidade e a negação dá lugar à justiça.”

A ONU continua a considerar uma solução de dois Estados a única possível. Guterres falou numa Palestina e Israel “vivendo lado a lado, em paz, com fronteiras reconhecidas e seguras, e com Jerusalém como a capital de ambos.”

No final, Amina Mohammed leu o pedido de Guterres para que os participantes do fórum “reflitam sobre como tornar esta visão uma realidade. ”

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas