Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Inimigo fictício nas manobras da OTAN se parece muito com Rússia, diz mídia

Soldados da OTAN participaram na Estônia dos exercícios militares internacionais Locked Shields (Escudos Cruzados), durante os quais treinaram a resposta a um ataque cibernético por parte de um país inventado, Crimsonia, muito parecido com a Rússia, escreve o jornal estadunidense The Washington Post.


Sputnik

Segundo o plano dos exercícios, hackers da Crimsonia atacaram outro país imaginado, Berylia, que ficou sem eletricidade e água. Além disso, os atacantes bloquearam o sistema de energia e hackearam um drone, que acabou por cair em uma base da OTAN, causando vítimas entre os militares.


Parceiros norte-americanos e estônios treinam em conjunto (foto de arquivo)
Tropas dos EUA e Estônia em exercício militar | CC0 / U.S. Army Europe Images

O jornal norte-americano sublinha que a Krimzonia tem semelhança com a Rússia, já que em 2007, segundo vários especialistas, efetuou ataques cibernéticos contra o parlamento da Estônia, a mídia local e provedores de Internet.

O The Washington Post sugere que o suposto ataque cibernético teve a ver com a decisão das autoridades estonianas de retirar o monumento Soldado de Bronze, junto com as sepulturas de soldados soviéticos, do centro de Tallinn.

Naquele ano, diz o artigo, os países da OTAN não tomaram nenhumas medidas contra a Rússia.

Os Locked Shields estão entre os maiores exercícios de guerra cibernética no mundo, sendo realizados desde 2010. Da edição deste ano participaram quase mil efectivos de 30 países.

A OTAN costumava ver a prevenção de ciberataques como única responsabilidade das entidades da Internet. No entanto, em 2014, a OTAN decidiu que um ciberataque pode provocar uma resposta militar e, no ano passado, autorizou seus militares a realizarem tais ataques.

Postar um comentário