Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil prevê inaugurar estação na Antártica em 2020, oito anos após incêndio

Obra é executada por uma empresa chinesa e, segundo a Marinha, se aproxima do final. Incêndio em 2012 destruiu estação, e dois militares morreram.
Por Guilherme Mazui | G1 — Brasília

Passados sete anos desde o incêndio que destruiu a Estação Antártica Comandante Ferraz, a Marinha prevê inaugurar a nova estação em março de 2020.

Executada pela empresa chinesa Ceiec, a obra se aproxima do final, segundo a Marinha, que prevê concluir as obras civis e a instalação de máquinas e mobiliário até 31 de março, iniciando um período de testes do complexo científico até março de 2020. Após os testes, a estação poderá receber militares e pesquisadores.

"A previsão de inauguração é março de 2020, quando os pesquisadores e o Grupo-Base [de militares] deverão ocupar em definitivo as instalações da nova Estação Antártica Comandante Ferraz", informou a Marinha ao G1.

Com investimento de US$ 99,6 milhões, o complexo receberá profissionais que atuam no Programa Antártico Brasileiro (Proantar), criad…

Inimigo fictício nas manobras da OTAN se parece muito com Rússia, diz mídia

Soldados da OTAN participaram na Estônia dos exercícios militares internacionais Locked Shields (Escudos Cruzados), durante os quais treinaram a resposta a um ataque cibernético por parte de um país inventado, Crimsonia, muito parecido com a Rússia, escreve o jornal estadunidense The Washington Post.


Sputnik

Segundo o plano dos exercícios, hackers da Crimsonia atacaram outro país imaginado, Berylia, que ficou sem eletricidade e água. Além disso, os atacantes bloquearam o sistema de energia e hackearam um drone, que acabou por cair em uma base da OTAN, causando vítimas entre os militares.


Parceiros norte-americanos e estônios treinam em conjunto (foto de arquivo)
Tropas dos EUA e Estônia em exercício militar | CC0 / U.S. Army Europe Images

O jornal norte-americano sublinha que a Krimzonia tem semelhança com a Rússia, já que em 2007, segundo vários especialistas, efetuou ataques cibernéticos contra o parlamento da Estônia, a mídia local e provedores de Internet.

O The Washington Post sugere que o suposto ataque cibernético teve a ver com a decisão das autoridades estonianas de retirar o monumento Soldado de Bronze, junto com as sepulturas de soldados soviéticos, do centro de Tallinn.

Naquele ano, diz o artigo, os países da OTAN não tomaram nenhumas medidas contra a Rússia.

Os Locked Shields estão entre os maiores exercícios de guerra cibernética no mundo, sendo realizados desde 2010. Da edição deste ano participaram quase mil efectivos de 30 países.

A OTAN costumava ver a prevenção de ciberataques como única responsabilidade das entidades da Internet. No entanto, em 2014, a OTAN decidiu que um ciberataque pode provocar uma resposta militar e, no ano passado, autorizou seus militares a realizarem tais ataques.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas