Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

General brasileiro em forças dos EUA atrapalha laços com Moscou e Pequim, diz especialista

A decisão do Brasil de enviar um oficial para integrar as Forças Armadas dos Estados Unidos deve atrapalhar as relações do país com importantes aliados, como China e Rússia. A avaliação é do especialista em Relações Internacionais Paulo Velasco, que conversou nesta segunda-feira com a Sputnik sobre esse polêmico assunto.
Sputnik

Na última semana, se tornou pública no Brasil a notícia de que o país indicará, até o final do ano, um general para assumir um posto no Comando Sul (SouthCom) dos EUA, que cobre América Central, Caribe e América do Sul, provocando controvérsias.


De acordo com o comandante responsável, o almirante Craig Faller, os interesses norte-americanos na região seriam ameaçados por Rússia, China, Irã, Venezuela, Cuba e Nicarágua, países com os quais o Brasil poderá ter relações prejudicadas por conta dessa situação, conforme acredita Velasco, professor adjunto de Política Internacional do Departamento de Relações Internacionais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (U…

Irã acusa Israel de 'inventar pretextos' para atacar a Síria

Nesta quinta Israel bombardeou alvos iranianos na Síria.


Por G1

O governo do Irã acusou nesta sexta-feira (11) Israel de "inventar pretextos" para atacar a Síria enquanto uma importante autoridade religiosa fez ameaças contra o governo de Benjamin Netanyahu, um dia depois dos bombardeios israelenses contra supostos alvos iranianos e sírios neste país.

Mísseis sendo avistados no céu de cidade síria de Deraa na madrugada desta quinta-feira (Foto: Reuters)
Mísseis sendo avistados no céu de cidade síria de Deraa na madrugada desta quinta-feira (Foto: Reuters)

O porta-voz do ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Ghasemi, citado pela agência Isna, condenou "com firmeza os ataques do regime sionista".

Além disso, o clérigo Ahmad Khatami disse nesta sexta, de acordo com a TV estatal, que se Israel agir "estupidamente", as cidades de Tel Aviv e Haifa serão destruídas.

"Vamos expandir nossa capacidade de mísseis apesar da pressão ocidental... para fazer Israel saber que se eles agirem estupidamente, Tel Aviv e Haifa serão totalmente destruídas", disse Khatami durante as orações de sexta-feira na Universidade de Teerã.

Na quinta-feira, Israel anunciou que atacou posições "iranianas" na Síria, em represália por ataques do Irã contra a parte das colinas de Golã sob controle do Estado hebreu. O ataque deixou mais de 20 mortos. Golã é um território sírio que Israel ocupou na Guerra dos Seis Dias de 1967 e anexou mais tarde em uma decisão não reconhecida pela comunidade internacional.

A tensão entre Israel e Irã aumentou desde que o presidente americano Donald Trump anunciou a saída dos EUA do acordo nuclear assinado com o Irã e potências ocidentais em 2015. Israel, que é o principal aliado dos EUA no Oriente Médio, apoiou a decisão de Trump e já disse que não deixaria o Irã se estabelecer na guerra da Síria. O Irã tem ajudado o presidente sírio, com centenas de soldados e algumas bases militares, a derrotar uma rebelião de mais de sete anos.

Israel afirma que atingiu quase toda a infraestrutura do Irã na Síria. Segundo a imprensa israelense, foi o maior ataque de Israel contra a Síria desde 1974. O presidente do Parlamento, Yuli Edelstein, disse nesta quinta que Israel enviou "uma mensagem clara aos seus inimigos e ao Irã".

Ataque atribuído ao Irã

No ataque atribuído ao Irã por Israel, o Exército israelense diz que foram disparados 20 mísseis, mas que nenhum caiu no território israelense - 4 foram interceptados e 16 falharam. Israel atribui a responsabilidade do ataque, que tinha como alvo bases militares, ao comandante Qassem Soleimani, da Guardas Revolucionárias do Irã.

Segundo o jornal israelense "Haaretz", essa foi a primeira vez em que Israel acusou diretamente o Irã de disparar contra o seu território.

Na noite de terça (8), um bombardeio noturno atribuído a Israel em uma área próxima a Damasco, na Síria, matou 15 combatentes estrangeiros leais ao regime sírio, incluindo 8 iranianos, de acordo com o OSDH.

Comentários

Postagens mais visitadas