Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Revista americana compara táticas de uso de robôs militares da Rússia e dos EUA

Depois dos testes do veículo de combate robótico Uran-9 na Síria, especialistas militares dos EUA analisaram o papel e o conceito de utilização de robôs em combate, tendo ainda comparado as caraterísticas dos robôs militares russos e norte-americanos.
Sputnik

Antes de tudo, o analista militar Charlie Gao da revista The National Interest prestou atenção à diferença fundamental na filosofia de planejamento militar dos EUA e da Rússia. 

Por exemplo, o Pentágono destaca cinco aplicações potenciais dos robôs. Entre elas estão a vigilância, o abastecimento de tropas, o apoio às tarefas cognitivas e físicas dos soldados, o aumento das capacidades de manobra, bem como a proteção das Forças Armadas. O exército norte-americano utiliza os robôs principalmente em tarefas auxiliares e de transporte de cargos.

Por sua vez, o Estado-Maior russo prevê usar os robôs em missões ofensivas, em ataques de vanguarda ou para neutralizar as posições do adversário em colaboração com as tropas convencionais.

"…

Irã gera rara demonstração de unidade entre Berlim e Moscou

Em reunião na Rússia, ministros do Exterior alemão e russo defendem que acordo nuclear iraniano deve ser mantido após a saída dos EUA. Maas pede que Moscou use sua influência para convencer Teerã a permanecer no pacto.


Deutsch Welle

Em uma rara demonstração de unidade entre Berlim e Moscou, os ministros do Exterior alemão, Heiko Maas, e russo, Serguei Lavrov, concordaram nesta quinta-feira (10/05) em trabalhar juntos para preservar o acordo nuclear com o Irã após a saída dos Estados Unidos do pacto.


Heiko Maas e Serguei Lavrov
Os ministros do Exterior alemão, Heiko Maas, e russo, Serguei Lavrov, em encontro em Moscou

Maas afirmou ser crucial que o Irã cumpra as suas obrigações no âmbito do acordo, apesar das ameaças do presidente americano, Donald Trump, de impor novas sanções a Teerã. Segundo ele, Moscou poderia usar sua influência sobre o regime iraniano para esse fim.

"É necessário que o Irã permaneça no acordo. É também de interesse do Irã manter o acordo vivo", declarou o chefe da diplomacia alemã, após reunião com Lavrov em Moscou. Para o ministro russo, acabar com o pacto iraniano ameaçaria a estabilidade do Oriente Médio.

O encontro ocorre dois dias após Trump anunciar a saída dos EUA do acordo nuclear – taxando-o de "horrível e unilateral" –, apesar dos esforços internacionais para impedir tal movimento. A ofensiva incluiu viagens da chanceler federal alemã, Angela Merkel, e do presidente francês, Emmanuel Macron, a Washington nas últimas semanas.

O acordo nuclear foi firmado em 2015, antes de Trump assumir o cargo, entre Irã, EUA, Alemanha, França, China, Reino Unido e Rússia, visando restringir o programa nuclear iraniano em troca do alívio de uma série de pesadas sanções internacionais ao país.

Na quarta-feira, a Casa Branca antecipou que Trump pretende impor novas sanções a Teerã, provavelmente na próxima semana, mas sem dar mais detalhes. Em Moscou, Maas afirmou que o governo alemão está sondando com os EUA quais seriam essas medidas.

"É importante ter conhecimento sobre as regras relativas aos chamados efeitos secundários, ou seja, o que acontece com uma empresa europeia que tem negócios nos Estados Unidos se ela continuar fazendo negócios com o Irã", disse o ministro alemão.

Lavrov, por sua vez, afirmou ser crucial que quaisquer novas sanções de Washington contra Teerã não abalem o acordo nuclear conquistado a duras penas. "Sem dúvida, vamos nos certificar em primeiro lugar de que isso não destruirá o acordo. Esse é nosso objetivo comum."

Segundo o ministro do Exterior russo, Moscou apelou tanto ao Irã quanto ao seu adversário Israel para que evitem tomar medidas que possam impulsionar a escalada do conflito no Oriente Médio após o anúncio de Trump sobre a saída do acordo.

Conflito na Ucrânia

Os dois diplomatas também concordaram em tentar retomar os esforços para resolver o conflito no leste da Ucrânia, onde forças pró-russas, apoiadas por Moscou, vêm combatendo forças ucranianas desde 2014, gerando também sanções internacionais.

Em reunião com Lavrov, Maas sugeriu reviver as negociações de paz entre Alemanha, França, Ucrânia e Rússia, que levaram ao acordo de Minsk em 2015, mas que, desde então, estagnaram. "Estamos prontos para considerar essa oferta", respondeu o ministro russo.

"Diálogo honesto"


Mais uma vez, Maas pediu "diálogo honesto" com o governo russo, "particularmente durante tempos complexos". O ministro alemão concordou que Berlim e Moscou tiveram suas diferenças, mas destacou a importância de a Rússia ser incluída na diplomacia global. Segundo ele, o conflito na Síria "não pode ser resolvido sem a Rússia".

Antes de sua viagem a Moscou, Maas já havia dito que a Alemanha estava pronta para esse diálogo, mas que também esperava "esforços construtivos" da Rússia no que diz respeito, por exemplo, aos conflitos na Ucrânia e na Síria – neste país, onde a guerra civil já dura sete anos, Moscou apoia o regime do presidente Bashar al-Assad.

Nesta quinta-feira, Lavrov afirmou ter "apreciado" a viagem de Maas à Rússia tão pouco tempo depois de ele ter assumido a diplomacia alemã. Segundo o ministro russo, reuniões presenciais são muito melhores do que a "diplomacia por microfone".

A expressão usada por Lavrov foi uma aparente referência a comentários de Maas sobre a Rússia em uma entrevista à revista alemã Spiegel, quando ele chamou o país de "agressor" e acusou o governo Vladimir Putin de adotar uma postura "cada vez mais hostil".

Desde que assumiu o cargo em março, o ministro alemão vem adotando um tom mais duro em relação a Moscou do que seu antecessor, o também social-democrata Sigmar Gabriel. O encontro desta quinta-feira foi visto como uma demonstração rara de harmonia diplomática entre as duas potências.

A viagem de Maas a Moscou antecede as visitas da chanceler federal alemã, Angela Merkel, e do ministro da Economia, Peter Altmaier, à Rússia na próxima semana.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas