Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Israel tem 'balas para todos', provoca aliado de Netanyahu após mortes de palestinos

As Forças de Defesa de Israel (IDF) têm balas suficientes para todos, segundo um importante político israelense citado pela imprensa local. Mais de 50 palestinos, incluindo crianças, foram mortos por tiros israelenses na segunda-feira durante uma onda de protestos.


Sputnik

Avi Dichter, um membro sênior do Partido Likud, do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, fez o comentário polêmico ao falar com ao canal Hadashot na tarde de segunda-feira.

Médicos tratam crianças palestinas atingidas com gás durante protestos na Faixa de Gaza
Crianças atingidas por gás em ataque israelense © AP Photo / Dusan Vranic

"As IDF têm balas suficientes para todos", disse o ex-diretor do serviço de segurança interna Shin Bet e ministro da Segurança Interna Dichter, conforme citado pelo jornal local Times of Israel.

"Acredito que, em última análise, os meios que as IDF prepararam, sejam eles não letais ou, se necessário, letais, nos casos em que isso é justificado pelos regulamentos de fogo aberto — há munição suficiente para todos", continuou.

O político, que atualmente atua como presidente do Comitê de Relações Exteriores e Defesa no Knesset, afirmou que as IDF "não deixam ninguém colocar soldados, e certamente não os civis, em perigo".

Pelo menos 52 manifestantes palestinos, incluindo sete crianças, foram mortos por ataques israelenses durante manifestações no dia da posse da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém, segundo os últimos dados do Ministério da Saúde da Palestina.

Além disso, mais de 2.400 manifestantes ficaram feridos no que é considerado o dia mais violento da Grande Marcha de Retorno, com duração de seis semanas.

A Anistia Internacional chamou a situação em Gaza de "outro exemplo horrível de militares israelenses que usam força excessiva e munição real de maneira totalmente deplorável". Um comitê da ONU também pediu que Israel pare de usar "força desproporcional" contra os manifestantes.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas