Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Jornalista ucraniano explica por que Kiev não pode ter pretensões nenhumas sobre a Crimeia

O editor-chefe da edição on-line ucraniana Taimer, Yuri Tkachev, avaliou as capacidades de Kiev para sustentar a Crimeia, concluindo que seus compatriotas não podem considerar a península como sua.


Sputnik

De acordo com o jornalista, ao longo de cinco anos, entre 2015 e 2020, a Rússia gastou cerca de "25 bilhões de dólares" com o desenvolvimento das infraestruturas da região (vale ressaltar que, conforme a respectiva diretiva do governo, se trata de US$ 825 bilhões).


Comício em Sevastopol em honra da reunificação da Crimeia à Rússia
População de Sevastopol em manifestação pela reunificação da Crimeia com a Rússia © Sputnik / Aleksei Malgavko

Tkachev frisa que a Ucrânia, por sua vez, alocou apenas 9 milhões de dólares para a península em 2013.

"Quando os políticos ucranianos afirmam que a Crimeia é deles, pergunte-lhes: será que eles têm dinheiro para a Crimeia?", escreveu o jornalista no Facebook.

Ele também supôs que a Ucrânia não encontraria dinheiro para "arrumar" sua própria infraestrutura. Para isso, acredita Tkachev, seria necessário investir nela ao menos US$ 10 bilhões anuais durante uma década.

"Nunca ninguém nos vai dar essa soma", resumiu.

Postar um comentário