Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Queremos que a Venezuela volte à democracia', diz Bolsonaro a TV dos EUA

Em entrevista à Fox News, o presidente também defendeu o muro para separar EUA do México. Nesta terça, ele vai se encontrar com Donald Trump.
Por G1

O presidente Jair Bolsonaro disse em entrevista à TV norte-americana na madrugada desta terça-feira (19) que a Venezuela estará no centro das discussões durante o encontro com o presidente dos EUA, Donald Trump, na Casa Branca, nesta tarde.

Ao canal Fox News, Bolsonaro reafirmou que o presidente norte-americano mantém "todas as opções na mesa"em relação à Venezuela. "Nós não podemos falar em todas as possibilidades, mas o que for possível de forma diplomática", disse Bolsonaro, segundo tradutor da emissora.

A entrevista foi ao ar com tradução simultânea, e em alguns trechos não foi possível ouvir o que o presidente respondeu. Bolsonaro disse que o Brasil é o país mais interessado em pôr fim ao governo de Nicolás Maduro.

O presidente afirmou que o governo brasileiro está alinhado ao de Trump. "Hoje temos nova ideologia,…

Marinha da China faz exercícios militares no Estreito de Taiwan

A Marinha do Exército de Libertação do Povo da China realizou na quarta-feira exercícios de fogo vivo no Estreito de Taiwan como uma forma de "salvaguardar a soberania e integridade da China", segundo o diretor do Escritório de Taiwan, Liu Jeyi.


Sputnik

"A broca militar envia uma mensagem aos EUA dizendo que deveria parar de apoiar os separatistas na ilha", disse o professor Li Zhenguang, do Instituto de Estudos de Taiwan da Universidade de Pequim.

Navio da Marinha chinesa
Navio da Marinha chinesa © Sputnik / Gennady Shishkin

As relações através do Estreito atingiram um ponto baixo, observou o professor, como resultado daquelas em Taiwan que querem "independência da ilha", disse Li.

Um novo grupo político taiwanês, apelidado de Formosa Alliance, foi formado no início de abril para promover um referendo sobre a independência em abril de 2019, informou o Nikkei Asian Review, com sede no Japão.

Pequim nomeou constantemente Taiwan como uma das suas prioridades políticas mais importantes. Mas para todos os exercícios de guerra do exército chinês no mar e no ar, Sam Roggeveen, do Instituto Lowy, na Austrália, argumentou em 23 de maio: "A China não está planejando invadir as praias de Taiwan".

O principal indicador de que a China não lançará uma invasão anfíbia no estilo da Normandia, argumentou Roggeveen, é que seus estaleiros não liberam navios de assalto anfíbios suficientes, como navios-tanque de desembarque.

"Por que, no meio de uma campanha maciça de modernização, o PLA-Marinha não construiu forças para conquistar Taiwan", ele pergunta, especialmente porque a construção de embarcações de assalto está bem dentro da capacidade técnica da China.

A maior parte do acúmulo sem precedentes nas forças navais da China foi no caso de navios maiores que são mais úteis para missões de longo alcance, observou ele. Taiwan e China, por outro lado, estão separadas apenas pelo estreito de Taiwan, de 110 milhas de largura.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas