Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Marinha dos EUA está atenta a qualquer 'provocação' iraniana no golfo Pérsico

O chefe da Marinha dos EUA disse que não foi detectada nenhuma atividade hostil iraniana no golfo Pérsico desde o anúncio do presidente Donald Trump sobre a retirada dos EUA do acordo nuclear com o Irã.


Sputnik

O almirante John Richardson, chefe da Marinha dos EUA, informou que a Marinha está de olho em quaisquer movimentações iranianas no golfo.


Os navios iranianos fazem parte nas manobras no estreito de Ormuz (Uma foto de arquivo)
Navios iranianos no Estreito de Ormuz © AFP 2018 / EBRAHIM NOROOZI / JAMEJAM ONLINE

"É um período de incerteza em que estamos entrando agora sobre como o mundo inteiro responderá a este último desenvolvimento [da situação]. Temos que permanecer em alerta, até um pouco mais do que o habitual para estarmos abertos a qualquer tipo de resposta ou um novo desenvolvimento ou algo parecido", salientou.

Ao mesmo tempo, Richardson observou que nenhuma atividade "provocatória" foi notada por parte de Teerã no golfo desde a saída de Washington do acordo nuclear.

Ao anunciar sua decisão em relação ao Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), Trump também prometeu restabelecer as sanções impostas ao Irã que foram suspensas como resultado do acordo.

William Urban, porta-voz do Comando Central das Forças Navais dos EUA, em março, ressaltou que não houve ações "inseguras e pouco profissionais" das forças navais iranianas no golfo desde agosto de 2017, quando as chamadas "provocações" iranianas na área pararam subitamente.

"Parece que eles absolutamente fizeram uma decisão consciente para nos dar mais espaço. Isto é definitivamente uma mudança de comportamento", disse Urban.

Ele lembrou que, anteriormente, os iranianos eventualmente se aproximavam em direção a navios norte-americanos em alta velocidade e que tais ações foram interpretadas como arriscadas e provocativas.

Em 2015, a União Europeia junto à China, Alemanha, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos assinaram o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA) com o Irã. O acordo estipulou a retirada gradual de sanções contra Teerã em contrapartida do país reduzir seu programa nuclear e permitir inspeções rigorosas para garantir que a natureza do programa fosse pacífica.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas