Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Donetsk declara estar em prontidão de combate para se defender de suposta ofensiva de Kiev

Os destacamentos da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) estão em prontidão de combate total e completamente equipados com todo o necessário para o caso de haver uma possível ofensiva das Forças Armadas da Ucrânia em Donbass, declarou aos jornalistas o vice-comandante da Milícia Popular da RPD, Eduard Basurin.
Sputnik

Anteriormente, Donetsk denunciou a preparação de um grande ataque por parte de Kiev no sul da região de Donetsk com uso de veículos blindados pesados, artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.


Segundo dados da inteligência, a ofensiva foi programada para 14 de dezembro com o objetivo final de tomar sob controle a fronteira com a Rússia. O líder da RPD, Denis Pushilin, declarou por sua vez que as forças de Donetsk estavam prontas para repelir o ataque.

"Todas as unidades militares foram colocadas em prontidão de combate total. Desde o momento em que recebemos informação sobre a preparação de uma ofensiva em grande escala do lado ucraniano, os nossos des…

Merkel diz que Irã cumpriu acordos e insiste em compromisso com pacto

A chanceler alemã, Angela Merkel, destacou que o Irã "cumpriu" com os termos do acordo nuclear alcançado em 2015 e defendeu a necessidade de ficar dentro do pacto, "apesar da pesada carga" que representa a saída dos Estados Unidos.


EFE

Berlim - "Faremos todo o possível para que o Irã se mantenha dentro do acordo", afirmou Merkel em um ato do seu partido, o União Democrata-Cristã (CDU), que qualificou o pacto de "importante coluna" para a segurança do conjunto da região.


Merkel em foto de abril de 2018. EFE/EPA/MICHAEL REYNOLDS
Merkel em foto de abril de 2018. EFE/EPA/MICHAEL REYNOLDS

A líder alemã destacou que a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) - o "encarregada de verificar o cumprimento" dos acordos - confirmou que Teerã se manteve nos termos estipulados, por isso é "importante" que reunir esforços para conseguir que continue dentro. Por outro lado, ela admitiu que é preciso "continuar trabalhando" em um conceito global para garantir que o Irã não desenvolverá armas nucleares no futuro.

A chanceler considerou que a decisão adotada ontem pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, "evidencia mais uma vez" a necessidade que os europeus têm de assumir maiores responsabilidades na política de segurança e na resolução de conflitos.

Depois da decisão de Trump de sair do acordo nuclear, surgiram as exigências da indústria alemã ao governo para que apoie os interesses do Irã, perante a eventual possibilidade que os Estados Unidos decidam sanções que afetem os seus negócios.

"O empresário está preocupado com a possibilidade de que os negócios com o Irã sejam prejudicados", apontou a Câmara do Comércio e da Indústria da Alemanha (DIHK) em comunicado.

No texto, o grupo lembrou que as empresas europeias podem ser afetadas caso os seus parceiros iranianos sejam incluídos em novas sanções americanas.

Imediatamente depois do anúncio de Trump, o embaixador dos Estados Unidos na Alemanha, Richard Grenell, pressionou às indústrias alemãs a deixar os seus negócios com o Irã "imediatamente". O porta-voz do governo de Merkel, Steffen Seibert, indicou o Executivo está analisando "como e quando" o anúncio de Trump pode ter efeito sobre as empresas alemãs ou o restante da Europa.

Ele insistiu, além disso, na determinação dos parceiros europeus em dar uma resposta pactuada a decisão do presidente americano e mencionou o comunicado conjunto emitido ontem por Berlim, Paris e Londres a esse respeito.

Essa reação conjunta dos três veio depois de uma conversa mantida entre a chanceler Merkel, o presidente da França, Emmanuel Macron, e a primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May.

O pacto, assinado em 2015 entre o Irã e o Grupo 5+1 - Estados Unidos, Rússia, China, França, Reino Unido e Alemanha -, limita o programa atômico do Irã em troca da suspensão das sanções internacionais.

Os três governos destacaram que esse acordo, assinado pelo então presidente Barack Obama, "reforçava a segurança mundial" e pediram que o governo de Trump "evite qualquer medida" que possa "impedir" a implementação do acordo das partes que estão decididas a respeitá-lo.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas