Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Mídia: ex-secretário de Estado dos EUA Kerry tenta salvar acordo nuclear iraniano

O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry, que participou da assinatura do acordo nuclear com Teerã, já se encontrou várias vezes durante este ano com o chanceler iraniano, Mohammad Javad Zarif, para encontrar uma solução para a crise em torno do documento, revela a edição Boston Globe com referência a uma fonte.


Sputnik

Conforme o diário, Kerry e Zarif discutiram os meios de preservar o acordo, mas não se precisa se conseguiram alcançar algum progresso. "[Kerry] está envolvido em uma incomum diplomacia de sombra com o alto oficial iraniano", ressalta o jornal.


Ex-secretário de Estado dos EUA John Kerry durante reunião do Conselho de Cooperação do Golfo, Manama (foto de arquivo)
Ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry © AFP 2018/ JONATHAN ERNST

Em 14 de julho de 2015, o Irã e seis países mediadores (Rússia, EUA, Reino Unido, China, França e Alemanha) alcançaram um acordo histórico sobre a regulação do prolongado problema do programa nuclear de Teerã. Foi adotado o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), em troca do cancelamento das sanções econômicas e financeiras antes introduzidas contra o Irã pelo Conselho de Segurança da ONU, EUA e União Europeia.

No próximo 12 de maio, o presidente norte-americano, Donald Trump, após discussões com o Reino Unido, Alemanha e França, vai anunciar se os EUA continuarão a fazer parte do acordo nuclear. Trump se expressou várias vezes contra o documento, ameaçando abandoná-lo, caso as partes não consigam "corrigi-lo".

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas