Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Ministro israelense sugere voltar com assassinatos de líderes do Hamas

O ministro de Segurança Pública de Israel, Gilad Erdan, disse nesta terça-feira que os assassinatos seletivos de líderes do Hamas, uma prática das forças israelenses durante a Segunda Intifada (2000-2005), é parte da solução para a situação atual na Faixa de Gaza, segundo o jornal "Yedioth Ahronoth".


EFE

Jerusalém - "Devemos voltar com os assassinatos seletivos, e os líderes do Hamas devem voltar a se esconder embaixo da terra e a temer por suas vidas", declarou Erdan em entrevista ao jornal israelense.

Resultado de imagem para Gilad Erdan
Gilad Erdan | The Jerusalem Post

O ministro indicou que chegou a hora de os líderes do movimento islamita - que Israel, União Europeia, Estados Unidos e outros países consideram terrorista - "pagarem um preço pessoal por organizarem ataques terroristas (...). Líderes do Hamas, como Yahya Sinwar e outros, falam do desejo de morrer perto da cerca (divisória). Então, deixemos que eles o façam".

Segundo Erdan, que é membro do gabinete de segurança de Israel, essa proposta ainda não foi discutida pelos ministros e não representa a postura de mais ninguém, apenas a sua própria.

Em dezembro de 2006, o Supremo Tribunal de Israel se pronunciou sobre os assassinatos seletivos opinando que os mesmos são um modo legítimo de defesa própria contra terroristas e especificou condições para a sua aplicação.

Antes disso, o agora falecido primeiro-ministro Ariel Sharon, com a explosão da Segunda Intifada (a Intifada de Al Aqsa) no ano 2000, empreendeu uma campanha de assassinatos seletivos contra líderes do Hamas, que governa efetivamente a Faixa de Gaza desde 2007.

Depois da morte de 60 palestinos na fronteira durante os protestos de ontem da chamada Grande Marcha do Retorno, Erdan disse que as forças de segurança se preparam hoje "para um dia recorde nos protestos e enfrentamentos que o Hamas tenta provocar na fronteira".

Hoje, o Conselho de Segurança das Nações Unidas se reunirá a pedido do Kuwait para avaliar a situação.

O ministro de Segurança Pública israelense considerou que "o Hamas quer provocar o maior número de mortes possíveis enquanto as Forças de Defesa de Israel (IDF, na sigla em inglês) e o Estado israelense querem o mínimo possível. Esta é a verdade que temos que explicar para o mundo, com todas as dificuldades que isso representa", concluiu Erdan.

Postar um comentário