Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Ministro palestiniano acusa Israel de ''massacre'' em Gaza

O ministro da Saúde palestiniano acusou esta segunda-feira Israel de cometer "um massacre" contra os manifestantes que protestam na fronteira de Gaza contra a transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém, onde já morreram 37 palestinianos.


Lusa

"Israel cometeu um massacre contra os palestinianos" da Faixa de Gaza, denunciou o ministro da Saúde da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Jawad Awad.


IBRAHEEM ABU MUSTAFA

O ministro fez um "apelo urgente" à comunidade internacional para pressionar Israel a deter o massacre contra o povo palestiniano.


Awad também apelou à Organização Mundial de Saúde (OMS), ao Comité Internacional da Cruz Vermelha e às Nações Unidas (ONU), "para deterem a matança interminável dos palestinianos".

"O número de mortos está a aumentar e essa é uma indicação perigosa que revela as intenções de Israel em causar um maior número de vítimas entre os manifestantes palestinianos", acrescentou.

Neste momento, o Ministério da Saúde palestiniano já contabiliza 37 palestinianos mortos, a maioria delas por ferimentos de balas, e cerca de 1.700 feridos pelo fogo israelita.


O exército israelita acusou o Hamas de "liderar uma operação terrorista sob a cobertura da massa de pessoas em dez cidades de Gaza".

Esta manhã, o Comité da ONU para a Prevenção da Discriminação Racial emitiu uma declaração urgente apelando ao Governo de Israel para acabar com "o uso desproporcionado da força" contra os manifestantes palestinianos.

Como parte de um mecanismo de "alerta e ação urgente", que é responsável por casos que exigem uma declaração urgente por haver ameaça à vida, o Comité instou Israel a abster-se de "qualquer ato que provoque mais vítimas" e para permitir aos palestinianos feridos receberem atenção médica.

Pelo menos 37 palestinianos morreram hoje devido a disparos de soldados israelitas junto à fronteira com Gaza, onde milhares de pessoas se manifestam contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém.

Postar um comentário