Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA e Rússia revivem a Guerra Fria no Oriente Médio com duas cúpulas

Reuniões paralelas, na Polônia e na Rússia, representaram a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito entre Israel e a Palestina
Juan Carlos Sanz e María R. Sahuquillo | El País
Sochi / Jerusalém - Em 1991, a Conferência de Madri estabeleceu um modelo para o diálogo multilateral no Oriente Médio após o fim da Guerra Fria, que havia colocado Washington contra Moscou na disputa pela hegemonia em uma região estratégica. Transcorridos mais de 27 anos, dois conclaves paralelos representaram nesta quinta-feira em Varsóvia (Polônia) e Sochi (Rússia) a revitalização do rompimento entre as potências sobre o Irã, a guerra na Síria e o conflito israelo-palestino. Os Estados Unidos e a Rússia, copresidentes em Madri em 1991, já não atuam mais como mediadores para aliviar as tensões e, mais uma vez, assumem um lado entre as partes conflitantes.

No fórum da capital polonesa, a diplomacia dos EUA chegou a um impasse ao reunir mais de 60 países em uma reu…

Ministro palestiniano acusa Israel de ''massacre'' em Gaza

O ministro da Saúde palestiniano acusou esta segunda-feira Israel de cometer "um massacre" contra os manifestantes que protestam na fronteira de Gaza contra a transferência da embaixada dos EUA para Jerusalém, onde já morreram 37 palestinianos.


Lusa

"Israel cometeu um massacre contra os palestinianos" da Faixa de Gaza, denunciou o ministro da Saúde da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Jawad Awad.


IBRAHEEM ABU MUSTAFA

O ministro fez um "apelo urgente" à comunidade internacional para pressionar Israel a deter o massacre contra o povo palestiniano.


Awad também apelou à Organização Mundial de Saúde (OMS), ao Comité Internacional da Cruz Vermelha e às Nações Unidas (ONU), "para deterem a matança interminável dos palestinianos".

"O número de mortos está a aumentar e essa é uma indicação perigosa que revela as intenções de Israel em causar um maior número de vítimas entre os manifestantes palestinianos", acrescentou.

Neste momento, o Ministério da Saúde palestiniano já contabiliza 37 palestinianos mortos, a maioria delas por ferimentos de balas, e cerca de 1.700 feridos pelo fogo israelita.


O exército israelita acusou o Hamas de "liderar uma operação terrorista sob a cobertura da massa de pessoas em dez cidades de Gaza".

Esta manhã, o Comité da ONU para a Prevenção da Discriminação Racial emitiu uma declaração urgente apelando ao Governo de Israel para acabar com "o uso desproporcionado da força" contra os manifestantes palestinianos.

Como parte de um mecanismo de "alerta e ação urgente", que é responsável por casos que exigem uma declaração urgente por haver ameaça à vida, o Comité instou Israel a abster-se de "qualquer ato que provoque mais vítimas" e para permitir aos palestinianos feridos receberem atenção médica.

Pelo menos 37 palestinianos morreram hoje devido a disparos de soldados israelitas junto à fronteira com Gaza, onde milhares de pessoas se manifestam contra a transferência da embaixada dos Estados Unidos de Telavive para Jerusalém.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas