Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Merkel: Esforços pelo desarmamento devem incluir EUA, Rússia, UE e China

A declaração da chanceler alemã ocorre em meio a um impasse entre Moscou e Washington, depois que os EUA anunciaram a suspensão do Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário (INF).
Sputnik

"O desarmamento é algo que preocupa a todos nós e é claro que ficaríamos felizes se essas conversas fossem realizadas não apenas entre os Estados Unidos, Europa e Rússia, mas também com a China", afirmou Angela Merkel na Conferência de Segurança de Munique, no sábado.


Comentando o assunto, o Ministro da Economia e Energia da Alemanha, Peter Altmaier, observou que o término do acordo poderia levar a uma nova corrida armamentista.

No início de fevereiro, Washington disse que estava suspendendo as obrigações previstas sob o Tratado INF. A Rússia respondeu da mesma maneira. Os EUA disseram que sairiam do tratado em seis meses, a menos que a Rússia voltasse a cumprir o acordo, mas Moscou refuta as alegações de violação do.

Washington também se mostrou favorável a um novo texto envolvendo t…

Ministro turco elogia Teerã: Um Irã forte significa ter uma Turquia forte

Ancara e Teerã continuarão suas relações econômicas apesar dos EUA terem deixado o acordo nuclear de 2015 com o Irã, garantiu o ministro turco da Economia, Nihat Zeybekci.


Sputnik

"É uma oportunidade para a Turquia. Continuaremos a ter relações comerciais com o Irã enquanto cumprimos as resoluções da ONU sobre atividades nucleares", disse Zeybekci, segundo a agência de notícias Anadolu.

Nihat Zeybekci - o ministro da Economia da Turquia
Nihat Zeybekci © Sputnik / Evgueni Biyatov

A Turquia tem laços econômicos "mais extensivos" com o Irã, incluindo energia. importações do país, acrescentou.

O ministro turco enfatizou que o Irã é um país "amigo e irmão" de Ancara.

"Acreditamos nisso: quanto mais o Irã se aproxima dessa região, mais a Turquia se torna forte, e quanto mais forte a Turquia se torna, mais o Irã fica mais forte", afirmou Zeybekci.

A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de sair do acordo nuclear levará à reimposição de sanções americanas que foram suspensas em 2015, incluindo restrições financeiras que tornaram extremamente difícil para empresas globais fazer negócios com ou no Irã.

Muitos países europeus disseram que vão defender suas empresas, que entraram novamente no mercado iraniano nos últimos três anos. Washington disse que dará às empresas europeias seis meses para encerrar os investimentos no Irã ou arriscar sanções dos EUA, e que eles também estão proibidos de assinar novos contratos com Teerã.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas