Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia acionará judicialmente os EUA, caso entregas dos F-35 sejam bloqueadas

Segundo o porta-voz do presidente turco, Ibrahim Kalin, a Turquia recorrerá a medidas jurídicas caso as entregas dos F-35 sejam bloqueadas pelos EUA.
Sputnik

Ibrahim Kalin citou para a mídia turca que "não é nada fácil rescindir este contrato, somos parte de um contrato multilateral, cumprimos com todas as exigências e pagamos, caso os EUA não cumpram, recorreremos à lei".

O Congresso americano decidiu recentemente suspender as entregas dos caças americanos de quinta geração F-35 à Turquia devido aos planos de Ancara de adquirir o sistema de defesa antiaérea russo S-400, além de ameaçá-la com sanções em diversas ocasiões, como citado em artigo da Sputnik Mundo.

O avançado sistema antiaéreo S-400 Triumph (SA-21 Growler, na classificação da OTAN) é capaz de abater alvos aéreos com tecnologia furtiva, mísseis de cruzeiro e mísseis balísticos táticos e táticos-operacionais, tem um alcance de até 400 km e pertence à geração 4+, sendo duas vezes mais eficaz que seus antecessores.

Os se…

Ministro turco elogia Teerã: Um Irã forte significa ter uma Turquia forte

Ancara e Teerã continuarão suas relações econômicas apesar dos EUA terem deixado o acordo nuclear de 2015 com o Irã, garantiu o ministro turco da Economia, Nihat Zeybekci.


Sputnik

"É uma oportunidade para a Turquia. Continuaremos a ter relações comerciais com o Irã enquanto cumprimos as resoluções da ONU sobre atividades nucleares", disse Zeybekci, segundo a agência de notícias Anadolu.

Nihat Zeybekci - o ministro da Economia da Turquia
Nihat Zeybekci © Sputnik / Evgueni Biyatov

A Turquia tem laços econômicos "mais extensivos" com o Irã, incluindo energia. importações do país, acrescentou.

O ministro turco enfatizou que o Irã é um país "amigo e irmão" de Ancara.

"Acreditamos nisso: quanto mais o Irã se aproxima dessa região, mais a Turquia se torna forte, e quanto mais forte a Turquia se torna, mais o Irã fica mais forte", afirmou Zeybekci.

A decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de sair do acordo nuclear levará à reimposição de sanções americanas que foram suspensas em 2015, incluindo restrições financeiras que tornaram extremamente difícil para empresas globais fazer negócios com ou no Irã.

Muitos países europeus disseram que vão defender suas empresas, que entraram novamente no mercado iraniano nos últimos três anos. Washington disse que dará às empresas europeias seis meses para encerrar os investimentos no Irã ou arriscar sanções dos EUA, e que eles também estão proibidos de assinar novos contratos com Teerã.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas