Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Ministro ucraniano: 'Agressor russo está usando novo armamento contra nós'

O ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov, durante uma coletiva de imprensa, acusou a Rússia de usar "novas armas de laser".


Sputnik

Avakov participava da cerimônia de condecoração de guardas fronteiriços, assegurando na sequência que um dos combatentes tinha sofrido uma lesão de um raio laser na retina.


Soldados do exército ucraniano
Militares ucranianos © AP Photo / Sergei Chuzavkov

"Agora estamos tomando contramedidas, mas queremos constatar que agressor russo está usando novo armamento contra nós", informa o portal Segodnya, citando o ministro.

De acordo com Avakov, as forças de segurança não entendem o que "concretamente está sendo usado", mas "têm uma noção do que é", adiantou o ministro sem entrar em detalhes.

Os militares planejam lutar contra as "armas" com a ajuda de filtros, aparelhos e óculos especiais. Avakov também prometeu "discutir a situação" a nível internacional.

Não está claro por que razão o ministro ucraniano decidiu que um guarda fronteiriço teria sido ferido por "armas russas", pois se pode ferir um olho até com um simples indicador a laser.

A operação militar de Kiev contra as repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk que declararam sua independência após o golpe de Estado na Ucrânia está sendo travada desde abril de 2014. Segundo os últimos dados da ONU, cerca de 10 mil pessoas foram afetadas pelo conflito armado em Donbass.

As autoridades ucranianas costumam periodicamente acusar a Rússia de intervir em seus assuntos internos. Moscou, por sua vez, tem declarado muitas vezes que não é parte do conflito ucraniano, mas sim um dos sujeitos dos acordos de Minsk, que visam reestabelecer a paz na região.

Postar um comentário