Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Ministro ucraniano: 'Agressor russo está usando novo armamento contra nós'

O ministro do Interior ucraniano Arsen Avakov, durante uma coletiva de imprensa, acusou a Rússia de usar "novas armas de laser".


Sputnik

Avakov participava da cerimônia de condecoração de guardas fronteiriços, assegurando na sequência que um dos combatentes tinha sofrido uma lesão de um raio laser na retina.


Soldados do exército ucraniano
Militares ucranianos © AP Photo / Sergei Chuzavkov

"Agora estamos tomando contramedidas, mas queremos constatar que agressor russo está usando novo armamento contra nós", informa o portal Segodnya, citando o ministro.

De acordo com Avakov, as forças de segurança não entendem o que "concretamente está sendo usado", mas "têm uma noção do que é", adiantou o ministro sem entrar em detalhes.

Os militares planejam lutar contra as "armas" com a ajuda de filtros, aparelhos e óculos especiais. Avakov também prometeu "discutir a situação" a nível internacional.

Não está claro por que razão o ministro ucraniano decidiu que um guarda fronteiriço teria sido ferido por "armas russas", pois se pode ferir um olho até com um simples indicador a laser.

A operação militar de Kiev contra as repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk que declararam sua independência após o golpe de Estado na Ucrânia está sendo travada desde abril de 2014. Segundo os últimos dados da ONU, cerca de 10 mil pessoas foram afetadas pelo conflito armado em Donbass.

As autoridades ucranianas costumam periodicamente acusar a Rússia de intervir em seus assuntos internos. Moscou, por sua vez, tem declarado muitas vezes que não é parte do conflito ucraniano, mas sim um dos sujeitos dos acordos de Minsk, que visam reestabelecer a paz na região.

Comentários

Postagens mais visitadas