Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Os mísseis russos que se tornaram alvo de disputa entre EUA e Turquia

A Turquia, dona do segundo maior Exército entre os 29 países que compõem a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), está prestes a adquirir mísseis antiaéreos S-400.
BBC News Brasil

Os S-400 são os mísseis "terra-ar" mais avançados do mundo e se tornaram motivo de uma disputa entre Turquia e Estados Unidos que pode ameaçar a aliança militar das potências ocidentais.

Isso porque os S-400 são fabricados na Rússia, o principal rival da organização fundada em 1949 justamente para se opor à então União Soviética.

A insistência da Turquia em adquirir os mísseis russos irritou os Estados Unidos, que encaram a decisão como uma potencial ameaça para seus aviões de combate F-35, também em vias de serem comprados pelos turcos.
Troca de farpas

"Não ficaremos de braços cruzados enquanto os aliados da Otan compram armas dos nossos adversários", advertiu o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, durante um encontro organizado há poucos dias em Washington para celebrar o aniversár…

Mudança da embaixada dos EUA é uma decisão 'sem visão'

O vice-ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Mikhail Bogdanov, atribuiu a culpa aos Estados Unidos pela "grave escalada em torno de Gaza"


DN/Lusa

A Rússia criticou hoje a decisão do Presidente dos Estados Unidos de transferir a embaixada norte-americana para Jerusalém, afirmando tratar-se de uma medida "sem visão" que irá alimentar ainda mais as tensões entre Israel e os palestinianos.


Cerimónia de inauguração da embaixada dos EUA em Jerusalém | EPA/ABIR SULTAN

A declaração foi feita pelo 'número dois' da diplomacia russa, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Mikhail Bogdanov, em declarações à agência noticiosa russa Interfax.

A embaixada dos Estados Unidos em território israelita é hoje aberta oficialmente em Jerusalém, depois de Donald Trump ter anunciado, a 6 de dezembro do ano passado, que Washington reconhecia a cidade como capital de Israel.

Na mesma ocasião, o chefe de Estado anunciava a transferência da embaixada norte-americana de Telavive para Jerusalém, contrariando a posição da ONU e dos países europeus, árabes e muçulmanos, assim como a linha diplomática seguida por Washington ao longo de décadas.

À Interfax, o vice-ministro russo reforçou que a decisão da administração Trump "vai contra a posição da maioria da comunidade internacional".

O representante da diplomacia russa culpou ainda os Estados Unidos pela "grave escalada em torno de Gaza", advertindo que a transferência da embaixada norte-americana "poderá desencadear confrontos em grande escala entre palestinianos e israelitas e provocar um número crescente de vítimas".

Este aviso de Moscovo surge numa altura em que já estão contabilizados mais de 30 mortos e várias centenas de feridos em violentos confrontos registados hoje junto à fronteira com Gaza, onde milhares de pessoas se manifestam contra a transferência da embaixada norte-americana.

Apesar da ausência de Donald Trump, a abertura da embaixada norte-americana em Jerusalém vai ser acompanhada no local por uma importante delegação de Washington, onde se destaca a presença da filha e do genro do Presidente Ivanka Trump e Jared Kushner, ambos conselheiros do governante norte-americano, e do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin.

A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano, um dos mais antigos do mundo.

Israel ocupa Jerusalém oriental desde 1967 e declarou, em 1980, toda a cidade de Jerusalém como a sua capital indivisa.

Os palestinianos querem fazer de Jerusalém oriental a capital de um desejado Estado palestiniano, coexistente em paz com Israel.

Jerusalém é considerada uma cidade santa para cristãos, judeus e muçulmanos.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas