Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Netanyahu descreve presidente turco como 'um dos maiores apoiadores do Hamas'

Na segunda-feira (14), Ancara convocou seus embaixadores dos Estados Unidos e de Israel após a morte de mais de 50 civis durante os recentes confrontos entre exército israelense e palestinos na Faixa de Gaza.


Sputnik

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descreveu o presidente turco Recep Tayyip Erdogan como "um dos maiores apoiadores do Hamas", que "sem dúvidas entende muito bem o que significa terrorismo e massacre".

Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro de Israel
Benjamin Netanyahu © AFP 2018 / RONEN ZVULUN / POOL

"Eu recomendo que Erdogan não nos ensine moralidade", ressaltou Netanyahu durante coletiva de imprensa.

A declaração veio pouco depois de Erdogan ter dito que Ancara decidiu retirar seus embaixadores de Washington e Tel Aviv devido às ações de Israel na Faixa de Gaza, onde pelo menos 59 palestinos foram mortos em confrontos com as forças israelenses.

"A Turquia reagirá a isso severamente. Nós retiramos nossos embaixadores de Washington e Tel Aviv para consultas […] Também propomos a convocação de uma reunião de emergência do Conselho de Segurança da ONU. Vamos conversar com muitos líderes e estamos declarando luto nacional de três dias a partir de amanhã", disse Erdogan.

Ele também chamou Israel de "Estado terrorista", descrevendo suas ações contra os palestinos como genocídio.

O mesmo foi repetido pelo primeiro-ministro turco, Binali Yildirim, que pediu aos países muçulmanos que reconsiderem suas relações com Israel após a violência em Gaza.

Os acontecimentos começaram em meio à cerimônia de inauguração da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém na segunda-feira (14), que foi anunciada inicialmente em dezembro e provocou protestos em massa em países muçulmanos, bem como críticas dos Estados que apoiam a solução do conflito palestino-israelense.

Postar um comentário