Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Netanyahu: Israel não busca guerra com Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reafirmou nesta terça-feira, em entrevista à CNN, as acusações feitas ontem contra o Irã, país que, segundo ele, teria ambições nucleares de caráter militar. No entanto, o premiê negou qualquer chance de estar interessado em uma guerra contra a República Islâmica.


Sputnik

"Vou dizer uma coisa: nós nunca pedimos a aniquilação de qualquer país", disse o político. "Ninguém está buscando esse tipo de desenvolvimento". 


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante uma coletiva de imprensa no Ministério da Defesa em 30 de abril de 2018
Benjamin Netanyahu © REUTERS / Amir Cohe

De acordo com Netanyahu, que se recusou a responder uma pergunta sobre as capacidades nucleares israelenses, Teerã vem tentando mudar as regras no Oriente Médio, inclusive incentivando, indiretamente, outros países a procurarem a posse de armas nucleares.

"É interessante que a corrida armamentista nuclear que eu previa tenha se desdobrado assim que o acordo foi assinado, porque todos sabiam que eles estavam apenas chutando a lata por alguns anos e, com o passar do tempo, o Irã terá um arsenal nuclear", afirmou ele. "Agora, você ouve outros países da região dizendo: 'nós queremos armas nucleares também'".

No início desta semana, o premiê de Israel disse em discurso televisionado que a inteligência israelense obteve arquivos provando que o Irã não tinha intenção de cumprir os compromissos do acordo nuclear firmado em 2015 com o grupo do P5+1.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas