Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

Netanyahu: Israel não busca guerra com Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reafirmou nesta terça-feira, em entrevista à CNN, as acusações feitas ontem contra o Irã, país que, segundo ele, teria ambições nucleares de caráter militar. No entanto, o premiê negou qualquer chance de estar interessado em uma guerra contra a República Islâmica.


Sputnik

"Vou dizer uma coisa: nós nunca pedimos a aniquilação de qualquer país", disse o político. "Ninguém está buscando esse tipo de desenvolvimento". 


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante uma coletiva de imprensa no Ministério da Defesa em 30 de abril de 2018
Benjamin Netanyahu © REUTERS / Amir Cohe

De acordo com Netanyahu, que se recusou a responder uma pergunta sobre as capacidades nucleares israelenses, Teerã vem tentando mudar as regras no Oriente Médio, inclusive incentivando, indiretamente, outros países a procurarem a posse de armas nucleares.

"É interessante que a corrida armamentista nuclear que eu previa tenha se desdobrado assim que o acordo foi assinado, porque todos sabiam que eles estavam apenas chutando a lata por alguns anos e, com o passar do tempo, o Irã terá um arsenal nuclear", afirmou ele. "Agora, você ouve outros países da região dizendo: 'nós queremos armas nucleares também'".

No início desta semana, o premiê de Israel disse em discurso televisionado que a inteligência israelense obteve arquivos provando que o Irã não tinha intenção de cumprir os compromissos do acordo nuclear firmado em 2015 com o grupo do P5+1.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas