Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Netanyahu: Israel não busca guerra com Irã

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, reafirmou nesta terça-feira, em entrevista à CNN, as acusações feitas ontem contra o Irã, país que, segundo ele, teria ambições nucleares de caráter militar. No entanto, o premiê negou qualquer chance de estar interessado em uma guerra contra a República Islâmica.


Sputnik

"Vou dizer uma coisa: nós nunca pedimos a aniquilação de qualquer país", disse o político. "Ninguém está buscando esse tipo de desenvolvimento". 


O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, durante uma coletiva de imprensa no Ministério da Defesa em 30 de abril de 2018
Benjamin Netanyahu © REUTERS / Amir Cohe

De acordo com Netanyahu, que se recusou a responder uma pergunta sobre as capacidades nucleares israelenses, Teerã vem tentando mudar as regras no Oriente Médio, inclusive incentivando, indiretamente, outros países a procurarem a posse de armas nucleares.

"É interessante que a corrida armamentista nuclear que eu previa tenha se desdobrado assim que o acordo foi assinado, porque todos sabiam que eles estavam apenas chutando a lata por alguns anos e, com o passar do tempo, o Irã terá um arsenal nuclear", afirmou ele. "Agora, você ouve outros países da região dizendo: 'nós queremos armas nucleares também'".

No início desta semana, o premiê de Israel disse em discurso televisionado que a inteligência israelense obteve arquivos provando que o Irã não tinha intenção de cumprir os compromissos do acordo nuclear firmado em 2015 com o grupo do P5+1.

Postar um comentário