Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

O poderio militar do Irã

Mesmo em desvantagem perante principais inimigos, país é uma das maiores forças bélicas do Oriente Médio e compensa fraquezas com estratégias assimétricas e de baixo custo.


Chase Winter | Deutsch Welle

O Irã é uma grande potência militar no Oriente Médio, com estimados 534 mil militares ativos no Exército, Marinha, Aeronáutica e na Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC).

Soldados da Guarda Revolucionária Islâmica marcham durante parada militar em Teerã
Soldados da Guarda Revolucionária Islâmica marcham durante parada militar em Teerã

O Global Firepower Index, um site sobre ranking militar, classifica o Irã como número 13 do mundo, entre 136 países. A lista é baseada em mais de 50 fatores, incluindo potencial de guerra com forças convencionais (não nucleares), contingente de soldados, geografia e finanças. Para comparar com outras potências regionais: a Turquia ocupa a nona posição, o Egito está na 12ª, Israel, na 16ª, e a Arábia Saudita está na 26ª.

A população de 82 milhões de habitantes indica que o Irã pode dispor de muitos soldados. Esse é um fator importante na manutenção de guerras longas, como a guerra Irã-Iraque, entre 1980 e 1988.

No entanto, com um orçamento de 16 bilhões de dólares em 2017, o financiamento de defesa do Irã fica aquém dos rivais regionais e é bem menor do que a despesa de países com os quais Teerã mais provavelmente entraria em conflito, como Israel, com 18,5 bilhões de dólares (mais 3,5 bilhões de dólares em ajuda militar dos EUA); Arábia Saudita, com 76,7 bilhões de dólares; e EUA, com quase 600 bilhões de dólares.

O xiita Irã é, assim, superado financeiramente por aqueles que considera serem suas principais ameaças militares: Estados Unidos, Israel e os Estados árabes sunitas do Golfo. O país é também amplamente cercado por bases militares dos Estados Unidos e não dispõe das garantias de segurança que seus rivais árabes do Golfo e Israel recebem dos americanos.

Além disso, o Irã tem estado sob um embargo de armas de quatro décadas imposto pelos EUA e sob restrições de armamentos da ONU desde 2006. Isso forçou o Irã a depender amplamente da produção doméstica de armas. Já seus rivais regionais contam com sistemas militares ocidentais de ponta.

A fim de compensar sua relativa fraqueza, Teerã confia em capacidades assimétricas e medidas de baixo custo.

Defesa avançada

Uma das bases da estratégia de defesa do Irã é a "defesa avançada", liderada por uma força de operações especiais, a Força Quds, unidade especial da Guarda Revolucionária Islâmica. A estratégia envolve o uso de aliados regionais, conhecidos como "eixo de resistência", como alavanca para enfraquecer, retaliar ou deter os inimigos fora do território iraniano.

Tais grupos incluem as Unidades de Mobilização Popular no Iraque, combatendo o "Estado Islâmico"; as milícias xiitas estrangeiras, lutando em nome do aliado Síria; o grupo xiita libanês Hisbolá; os rebeldes houthi no Iêmen; e a palestina Jihad Islâmica. O Irã é, portanto, um dos vários países da região a exercer influência sobre o grupo palestino Hamas, na Faixa de Gaza.

Embora estejam alinhados com o Irã política e militarmente, esses grupos têm seu próprio gerenciamento e interesses políticos nos locais onde operam.

Mísseis balísticos

Uma segunda base da estratégia militar do Irã são mísseis balísticos de alcance curto, médio e intermediário, capazes de atingir Israel, Estados árabes do Golfo, bases militares dos EUA na região e em partes da Europa.

Como observa o International Crisis Group, o Irã vê esses mísseis balísticos como um agente dissuasivo perante Israel e, em caso de ataque, como um meio para atingir os inimigos em seu próprio solo ou bases militares dos EUA na região. Enquanto o Irã apresenta seus mísseis balísticos como armas de dissuasão, seus inimigos os consideram uma ameaça ofensiva.

A política de mísseis balísticos pode ser combinada com a política de defesa avançada, como demonstram os ataques dos houthi com mísseis balísticos contra a Arábia Saudita, em resposta à sua guerra no Iêmen e no apoio militar do Hisbolá a uma série de mísseis no Líbano. O Irã nega que forneça mísseis balísticos ou seus componentes aos houthis.

Transporte de petróleo

Um terceiro meio de dissuasão iraniano é a ameaça de sufocar a economia mundial por meio da interrupção do transporte de petróleo em caso de conflito. Cerca de um quinto do petróleo comercializado no mundo passa pelo estreito de Ormuz, entre o Golfo Pérsico e o Golfo de Omã.

A estratégia do Irã é bloquear o estreito com minas e empregar táticas navais assimétricas e não convencionais contra navios de guerra inimigos, tais como atacar esses navios com embarcações pequenas e lanchas armadas com mísseis antinavio e torpedos.

O Irã pode estar desenvolvendo uma estratégia semelhante no Iêmen, calculando que, em caso de um conflito com um inimigo regional, a Força Quds e os houthis possam impedir a passagem de cargas no Mar Vermelho através do estreito de Bab-el-Mandeb, pelo qual passa 4% do petróleo comercializado no mundo.

Postar um comentário