Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Obama critica decisão de Trump sobre Irã

Respondendo à decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de se retirar do acordo nuclear com o Irã de 2015, o ex-presidente dos EUA, Barack Obama, divulgou um comunicado chamando o movimento de "equivocado".


Sputnik

"Em uma democracia, sempre haverá mudanças nas políticas e prioridades de um governo para o próximo. Mas a desconsideração consistente de acordos que nosso país é parte corrói a credibilidade da América e nos coloca em desacordo com as maiores potências do mundo.", escreveu o ex-presidente no Twitter.


Donald Trump e Barack Obama antes da cerimônia
Donald Trump e Barack Obama © REUTERS / Carlos Barria

A declaração continua dizendo que o acordo de 2015 não foi "apenas um acordo entre minha administração e o governo iraniano".

"Depois de anos construindo uma coalizão internacional que poderia impor sanções ao Irã, chegamos ao Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, sigla em inglês) junto com o Reino Unido, França, Alemanha, União Europeia, Rússia, China e Irã. É um acordo multilateral de controle de armas, endossado por unanimidade por uma resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas ", concluiu a declaração.

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, John Kerry, a decisão "enfraquece nossa segurança, quebra a palavra americana, isola-nos de nossos aliados europeus, coloca Israel em risco maior, fortalece os radicais iranianos e reduz nossa influência global para lidar com o mau comportamento de Teerã".

"Em vez de se basear em medidas de verificação de não-proliferação sem precedentes, essa decisão corre o risco de jogá-las fora e arrastar o mundo de volta à beira do abismo que enfrentamos há alguns anos", escreveu ele. "A extensão do dano dependerá do que a Europa pode fazer para manter o acordo nuclear unido e dependerá da reação do Irã".

Falando aos repórteres, Trump chamou o acordo de "um acordo horrível, unilateral que nunca deveria ter sido feito", e sugeriu que era "defeituoso em sua essência".

O Tesouro dos EUA disse em um comunicado logo após o anúncio de Trump que as sanções dos EUA contra o Irã entrariam em vigor a partir de novembro.

"Washington não será refém da chantagem nuclear", disse POTUS, ressaltando que sua decisão levaria a uma América "muito mais segura".

Após o anúncio de Trump, o presidente iraniano Hassan Rouhani afirmou que os EUA estavam cometendo "guerra psicológica" e que a decisão continuava a longa história dos EUA de minar os tratados internacionais.

Postar um comentário