Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA criticam bombardeiros russos na Venezuela: "Nós mandamos navio-hospital"

O coronel Robert Manning, porta-voz do Departamento de Defesa dos Estados Unidos, criticou com veemência nesta segunda-feira o envio de bombardeiros russos à Venezuela e citou o envio de navio-hospital à região como exemplo do compromisso de Washington com a região.
EFE

Washington - "O enfoque dos EUA sobre a região difere do enfoque da Rússia. No meio da tragédia, a Rússia envia bombardeiros à Venezuela e nós mandamos um navio-hospital", declarou Manning durante uma entrevista coletiva realizada hoje no Pentágono.


O militar se referia com estas palavras ao USNS Comfort, que partiu em meados de outubro rumo à América Central e à América do Sul para oferecer ajuda sanitária aos milhares de refugiados venezuelanos amparados por diversos países da região.

"Enquanto nós oferecemos ajuda humanitária, a Rússia envia bombardeiros", lamentou Manning em referência ao envio uma esquadrilha de aviões russos, incluindo dois bombardeiros estratégicos T-160, capazes de carregar bomb…

ONU pede a Israel que cesse o uso desproporcionado da força contra palestinianos

O Comité da ONU para a Prevenção da Discriminação Racial pediu hoje ao Governo de Israel que cesse o "uso desproporcional da força" contra os palestinianos que se manifestam ao longo da fronteira na faixa de Gaza.


Lusa

Como parte de um mecanismo de "alerta e ação urgente", o Comité instou Israel a abster-se de "qualquer ato que provoque mais vítimas" e que permita aos palestinianos feridos receberem assistência médica.


MOHAMMED SABER

Desde o início da "Marcha do Retorno", a 30 de março, mais de cinquenta palestinianos foram mortos, entre os quais pelo menos cinco crianças, além de milhares de feridos.

O Comité sublinhou que as informações fornecidas indicam que "várias das pessoas que morreram ou ficaram feridas não constituíam uma ameaça iminente quando foram atingidas".

Além disso, o organismo da ONU denunciou que existem indícios de que as autoridades israelitas impediram que os feridos recebessem tratamento adequado.

O Comité também pediu a Israel que garanta o respeito aos direitos fundamentais à vida e à segurança pessoal dos palestinianos sob o seu controlo efetivo, como é o caso daqueles que se encontram em Gaza.

Desde que o grupo islâmico Hamas venceu as eleições naquele território em 2006, Israel impôs um bloqueio sobre tudo o que entra e sai da área, incluindo bens e pessoas.

O Comité da ONU também exigiu que as autoridades israelitas tomem medidas contra o aumento das mensagens e dos discursos racistas que incitam a violência contra os palestinianos.

O organismo lamentou ainda que os palestinianos não tenham acesso a mecanismos para a obtenção de justiça contra os abusos sofridos, pelo que o Comité instou Israel a investigar de forma independente tais factos e que os responsáveis sejam processados.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas