Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Quem vai receber 'resposta esmagadora' do Irã pelo atentado em Ahvaz?

No sábado (22), militantes armados abriram fogo contra uma parada militar na cidade de Ahvaz, matando 29 pessoas e ferindo outras 60. O Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, que perdeu 12 de seus militares no atentado, prometeu que o Irã daria uma "resposta esmagadora" aos envolvidos no ataque. Mas de quem Teerã irá se vingar?
Sputnik

A responsabilidade pelo atentado foi assumida pelo Movimento Democrático Patriótico Árabe de Ahvaz (Al-Ahvazia), ligado à Arábia Saudita.

O líder supremo iraniano, aiatolá Ali Khamenei, comentando a tragédia, afirmou que os atacantes receberam dinheiro da Arábia Saudita e dos Emirados Árabes Unidos e que tinham sido apoiados pelos EUA.

Ex-chefe do Conselho de Cultura da administração presidencial iraniana, doutor Abbas Amirifar, acredita que por trás do ataque em Ahvaz estão países do Ocidente que "têm uma atitude hostil perante o Irã".

"Vale destacar que os terroristas que disseram estar envolvidos no atentado instalaram-se no Oc…

'Para ações em grande escala, a Ucrânia não tem recursos, nem preparação'

Um almirante ucraniano falou sobre a "ameaça híbrida" que a Rússia representaria no mar de Azov. Ao mesmo tempo, Kiev não está pronto para ações militares em grande escala, segundo opina o cientista político Vladislav Gulevich.


Sputnik

A Ucrânia deve começar a patrulhar as costas do mar de Azov para conter qualquer ameaça vinda da Rússia, disse Igor Kabanenko, ex-vice-ministro da Defesa da Ucrânia, ao portal Obozrevatel.

Mar de Azov
Mar de Azov © AP Photo / Vadim Ghirda

Segundo ele, Moscou realiza exercícios navais no mar de Azov próximo às costas ucranianas, o que representa uma "provocação" e uma "ameaça híbrida de invasão por mar".

Kabanenko enfatizou a necessidade de cooperação da Ucrânia com os países ocidentais no âmbito dessa questão. Ao mesmo tempo, ele reconheceu que a cooperação de Kiev com a OTAN é dificultada pelas posições da Hungria, que bloqueia uma série de iniciativas por causa das línguas das minorias étnicas na Ucrânia.

Anteriormente, o Serviço de Fronteiras da Ucrânia afirmou que, desde 30 de abril, o lado russo tem mandado parar diariamente no mar de Azov os navios que seguem para a Ucrânia, alegando inspeções. O Serviço Federal de Segurança (FSB) da Rússia informou que as inspeções de navios foram realizadas em conformidade com o direito marítimo internacional.

Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, Gulevich sugeriu o que Kiev pode fazer no mar de Azov.

"As autoridades ucranianas, ao trilhar o caminho da russofobia, já não conseguem se desviar dele, porque isso pode ser considerado como uma rejeição das suas próprias crenças ideológicas […] Provavelmente, os especialistas entendem todo o caráter provocatório dessa declaração de que a Rússia representa uma ameaça no mar de Azov. Mas, mesmo assim, o Ministério da Defesa da Ucrânia terá que fingir que compartilha essa opinião e agirá com medidas adequadas a este discurso", comentou.

Segundo ele, é difícil prever como estas ações da Ucrânia serão na prática, no entanto, acredita que não haverá ações em grande escala.

"Haverá picardias diplomáticas e políticas ou incidentes como a detenção de um barco de pesca russo. Para ações em grande escala, a Ucrânia não tem recursos, nem preparação, nem financiamento", concluiu Gulevich.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas