Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

Por que Israel conseguiu destruir sistema russo Pantsir S-1 na Síria? Analistas explicam

Anteriormente, as Forças de Defesa de Israel (FDI) publicaram em seu Twitter um vídeo que mostra alegadamente a aproximação de um míssil israelense Spike NLOS de um sistema de defesa antiaérea Pantsir-S1 do exército sírio.


Sputnik

O sistema antiaéreo russo Pantsir-S1 nunca deixaria que algum míssil o alcançasse, explicou o antigo vice-comandante em chefe da Força Aérea da Rússia para assuntos de Defesa Aérea, Aytech Bizhev, depois de os militares israelenses terem publicado um vídeo que supostamente mostra um míssil Spike NSOL destruindo um Pantsir-S1 na Síria durante o ataque da madrugada desta quinta-feira (10).


Sistema antiaéreo russo Pantsir-S1
Sistema antiaéreo russo Pantsir-S1 © Sputnik / Evgeny Biyatov

Segundo Bizhev, só pode haver duas explicações para o ataque com êxito contra um Pantsir-S1. O sistema estava desligado ou já tinha esgotado suas munições.

"Não pode haver uma terceira opção, já que se estivesse ligado, o sistema não permitiria sua destruição […] Quando o sistema está pronto para combate, ele realiza uma vigilância constante dos aviões inimigos e tem um tempo de reação muito rápido. Derrubaria esses mísseis de cruzeiro com seus canhões ou seus próprios mísseis", explicou o militar em entrevista ao canal russo RT.

O analista notou que no vídeo se vê que nenhuma das armas do Pantsir sírio apontava para o míssil entrante. A presença de três figuras humanas de pé, fora do veículo, provavelmente a tripulação, também sugere que o sistema não estava operacional no momento do ataque.

Segundo Bizhev, a Força Aérea israelense também utilizou sua vantagem geográfica para atacar as instalações militares sírias inesperadamente.

"Vocês sabem que o tempo de voo entre Israel e a Síria é zero [devido à fronteira comum entre os dois países]. Além disso, os bombardeiros israelenses F-15 e F-16 levaram a cabo os ataques aéreos sem entrar na área da defesa antiaérea [síria]."

Entretanto, de acordo com o especialista, o Pantsir-S1 "requere entre três e cinco minutos para entrar em funcionamento". Manter o sistema em alerta máximo o tempo todo é impossível, principalmente porque seria absolutamente exaustivo para a tripulação, acrescentou.

O observador militar do site russo Gazeta.ru, coronel aposentado Mikhail Khodarenok, enfatizou que o sistema de fabricação russa não se encontrava de forma alguma camuflado ou colocado em uma posição especialmente preparada no momento do ataque aéreo. "Isso indica que o Pantsir-S1 não estava pronto para o confronto", explicou ele.

Khodarenok assegurou que a destruição do sistema antiaéreo russo na Síria não dá motivos para "questionar as capacidades de combate" do Pantsir-S1.

No momento, os militares sírios dispõem aproximadamente de 40 unidades do sistema de defesa antiaérea Pantsir, junto com 20 sistemas russos Buk de várias modificações. Trata-se dos meios da defesa antiaérea mais avançados que Damasco possui.

Postar um comentário