Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin ameaça retaliar se EUA instalarem mísseis na Europa

Em seu discurso sobre o estado da nação, presidente russo faz ataques a Washington e promete apontar seu arsenal para os Estados Unidos e para o continente europeu se mísseis americanos atravessarem o Atlântico.
Deutsch Welle

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, alertou nesta quarta-feira (20/02) que seu país responderá a um possível envio de mísseis americanos à Europa, fazendo com que não apenas os países que receberem esses armamentos se tornem alvos, mas também os Estados Unidos.


Em seu discurso anual sobre o estado da nação em Moscou, Putin elevou o tom ao comentar uma nova e potencial corrida armamentista. Ele afirmou que a reação russa a um possível envio seria rigorosa e que as autoridades em Washington – algumas das quais estariam obcecadas com o "excepcionalismo" americano – deveriam calcular os riscos antes de tomar qualquer medida.

"É o direito deles de pensar da forma que quiserem. Mas eles sabem fazer cálculos? Tenho certeza que sabem. Deixemos que eles cal…

Por que Washington não reduzirá tropas na Coreia do Sul?

Recentemente, foi comunicado que depois da reunião entre os líderes coreanos, o presidente norte-americano, Donald Trump, ordenou ao Pentágono estudar a possível redução das tropas dos EUA na Coreia do Sul.


Sputnik

A Sputnik Internacional falou com Dr. Zhiguang Yin, professor nos Estudos Chineses na Universidade de Exeter, para saber qual a probabilidade de esta medida ser implementada.


Marinha norte-americana durante exercícios conjuntos dos EUA e Coreia do Sul em Pohang
Militares dos EUA na Coreia do Sul © AFP 2018 / YONHAP

Em particular, o especialista tem dúvidas em relação à genuinidade desta iniciativa de Trump. "Parece que o governo coreano rapidamente respondeu a essa declaração de Trump, dizendo que não há confirmação de que de fato haverá uma redução das tropas", sustentou.

Para ele, toda a informação agora sai de uma só fonte, parece que Donald Trump fez um movimento típico dizendo algo provocador, mas afinal de contas vai pedir algo em troca.

Falando sobre uma possível redução das tropas estadunidenses na Coreia do Sul, Zhiguang Yin ressaltou que o número de militares norte-americanos no país aumentou em 2014, e mais um batalhão de rangers teria sido enviado ao Sul.

Ele notou que se julgar pelas declarações de Trump, não é claro em que número será reduzido o contingente, ou se será substituído por quaisquer outras formas de sanções militares, ou se tudo isso é somente parte da estratégia de negociações do presidente norte-americano.

Segundo disse Zhiguang Yin à Sputnik Internacional, a desmilitarização da península coreana será o objetivo final de toda a Ásia Oriental. "Em última análise todos na Ásia Oriental ficarão felizes por ver a retirada das tropas dos EUA", opina, acrescentando que, de qualquer maneira, a saída do contingente estadunidense da Coreia do Sul, e, no futuro do Japão, vai alterar muito o balanço de poder na região, qualquer que seja a forma de proteção militar dos aliados após a retirada.

Comentários

Postagens mais visitadas