Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Presidente sírio nega uso de armas químicas

O presidente sírio, Bashar al-Assad, manifestou hoje que as acusações ocidentais que acusam o exército deste país do uso de armas químicas são uma farsa e uma cena teatral muito primitiva.


Prensa Latina

Damasco - Em declarações à publicação grega Kathimerini, o governante manifestou que esse argumento se usou por esses estados como pretexto para atacar ao exército sírio depois de que grupos terroristas foram derrotados.

Bashar Assad | Reprodução

Depois de destacar que os Estados Unidos, Reino Unido, França e seus aliados, querem desestabilizar esta nação, o presidente expressou que esses países perseguem também com suas violentas ações levantar a moral colapsada dos extremistas.

Denunciou que tentam com isso também impedir que as tropas governamentais libertem mais áreas do terrorismo na Síria.

Em relação ao tema das armas químicas assegurou que este país árabe não possui esse tipo de armamento desde 2013, o qual foi verificado e confirmado pela Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ).

Ao demonstrar a inconsistência das acusações de países ocidentais, valorizou que esses entes alegaram que o exército supostamente empregou em abril último armas químicas na cidade de Duma, região de Ghouta Oriental, quando já tinha a batalha ganhada contra grupos radicais.

Considerou que em um área com alta densidade populacional como Duma, um ataque químico deveria causar centenas ou milhares de mortos, e eles -os ocidentais- só falaram de ao redor de 45 vítimas.

Também se questionou que como é possível que as supostas armas químicas só mataram crianças e mulheres e nunca elementos armados; e que os médicos e enfermeiras estejam sãos após tratar os supostos afetados por substâncias tóxicas sem usar vestimenta protetora.

O mandatário Al-Assad, que abordou temas relacionados com o atual acontecer sírio e da região, expressou sua convicção de que Damasco derrotará de forma completa os agrupamentos terroristas atuantes no território nacional.

Para resolver o conflito neste país árabe, defendeu, assim, a importância do diálogo entre as partes divergentes e o aplicativo da política de reconciliação nacional.

Postar um comentário