Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Rússia pode ter 'más notícias' para caças norte-americanos

A Rússia e China estão a ponto de criarem tecnologia que permitirá derrubar os caças furtivos norte-americanos F-35 e F-22, escreve a revista The National Interest.


Sputnik

Moscou e Pequim já têm experiência em elaboração de sistemas de vigilância de infravermelhos, aponta o autor do artigo. Além disso, a indústria de defesa dos dois países possui redes de transmissão de dados no ar.

Caça norte-americano F-22
F-22 Raptor da USAF © AP Photo/ Lee Jin-man

Agora a Rússia e a China já têm todos os recursos para criar canais de comunicação de alta velocidade e de alta frequência, estipula a revista.

"Logo que os russos e os chineses possam ligar, com ajuda de um canal de transmissão de dados de alta velocidade, dois ou mais caças equipados com sistemas de busca e monitoramento de infravermelhos na faixa de ondas longas, eles terão a base dos componentes para criação de sistemas capazes de contrariar as tecnologias furtivas", ressalta o artigo.

Desenvolvimentos de tal tipo, junto com os algoritmos de fusão de sensores mais modernos "reduzirão significativamente" o potencial funcional dos caças norte-americanos de quinta geração, opina o autor. Ele também nota que a modernização das tecnologias de combate é somente uma questão do tempo. E é pouco provável que se possa proteger os caças norte-americanos do desenvolvimento de novos sistemas.

Postar um comentário

Postagens mais visitadas