Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Rússia reforça defesa do Ártico com bombardeiros supersônicos estratégicos

A Rússia planeja fortalecer a defesa do Ártico enviando bombardeiros estratégicos supersônicos Tu-160 para esta região, segundo comunicou o comandante da aviação de longo alcance da Força Aeroespacial da Rússia, Sergei Kobylash, em entrevista ao jornal do Ministério da Defesa.


Sputnik

"Atualmente, o Ártico tem importância estratégica para nós e, por isso, estamos incluindo novos aeródromos e aparelhos que possam garantir a segurança do país na fronteira marítima e naquela área", explicou Kobylash entrevistado pelo Krasnaya Zvezda.

Bombardeiro russo Tu-160
Tupolev Tu-160 © AP Photo / Misha Japaridze

"Nunca violamos o direito internacional, muito menos as fronteiras de outros países", acrescentou.

O comandante russo também comentou o recente incidente em que caças F-22 dos EUA escoltaram aeronaves russas no Ártico.

"Perto de suas fronteiras, a aviação desses países tem o mesmo direito de escoltar que nós temos ao realizar patrulhas aéreas", disse Kobylash, observando que este é um caso frequente.

Ao mesmo tempo, o comandante assegurou "com total responsabilidade" que a aviação russa de longo alcance "não violou o direito internacional, muito menos as fronteiras aéreas de Estados estrangeiros". "Todas as tarefas que as equipes realizaram e realizam estão em total conformidade com os padrões internacionais", frisou.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas