Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Saída dos EUA do acordo nuclear com Irã pode causar crise nuclear, alerta especialista

A decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de abandonar o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), pode levar a um confronto nuclear e a comunidade internacional não está preparada para ele, afirmou à Sputnik Kelsey Davenport, diretora do Departamento da Política de Não-Proliferação da Associação de Controle de Armas.


Sputnik

Nesta terça-feira (8), o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que seu país abandonará o JCPOA e restabelecerá sanções contra Teerã.


Míssil Ghadr-H frente ao retrato do supremo líder iraniano, Ali Khamenei, Teerã
Míssil Ghadr-H © AP Photo / Vahid Salemi

"A decisão de Trump de violar o acordo nuclear com o Irã, voltando a impor sanções, é perigosa, irresponsável, a é capaz de provocar uma crise nuclear que a comunidade internacional não se pode permitir", afirmou Davenport.

De acordo com a analista, os outros participantes do acordo nuclear devem reforçar as relações com o Irã, proteger os laços comerciais com Teerã contra as sanções norte-americanas e convencer o Irã a cumprir os compromissos no âmbito do acordo.

"É de importância especial que os outros assinantes do acordo, China, França, Alemanha, Rússia e o Reino Unido, empreendam passos imediatos para reforçar o acordo, proteger os negócios legítimos com o Irã das sanções norte-americanas, bem como apelar para que o Irã permaneça no acordo", frisou.

O JCPOA, assinado em 2015 entre o Irã e Grupo 5+1 (EUA, Rússia, Reino Unido, França, Alemanha, China) e considerado histórico, limitou o programa nuclear de Teerã em troca do levantamento das sanções internacionais. Posteriormente, o presidente dos EUA criticou repetidamente o JCPOA, qualificando-o como o pior acordo da história dos EUA, e ameaçou abandonar o JCPOA caso ele não fosse "corrigido".

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas