Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Su-57 russo supera caças de 5ª geração F-22 e F-35 dos EUA, diz piloto militar

O uso de caças F-22 pela Força Aérea dos EUA na Síria privou este modelo de suas vantagens sobre aeronaves russas, segundo a mídia norte-americana. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, um piloto militar russo comentou a situação.
Sputnik

A utilização de caças norte-americanos F-22 na Síria privou os EUA das vantagens destes caças em relação aos caças russos, escreveu o jornal Military Watch. Segundo Veralinn Jamieson, tenente-general da Força Aérea dos EUA, os céus do Iraque e da Síria se tornaram "armazém de informações" para russos sobre atuação de caças estadunidenses durante operações.

Segundo o autor do artigo, os russos tiveram bastante tempo para analisar e testar a tecnologia de furtividade dos F-22, além de terem coletado dados sobre o uso da aeronave e encontrado meios de combatê-la. Além disso, a Rússia poderá usar essas tecnologias na fabricação de suas aeronaves.

O artigo enfatiza que os radares dos sistemas de mísseis antiaéreos S-300 e S-400 da Rússia …

Saída dos EUA do acordo nuclear com Irã pode causar crise nuclear, alerta especialista

A decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de abandonar o Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA), pode levar a um confronto nuclear e a comunidade internacional não está preparada para ele, afirmou à Sputnik Kelsey Davenport, diretora do Departamento da Política de Não-Proliferação da Associação de Controle de Armas.


Sputnik

Nesta terça-feira (8), o presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou que seu país abandonará o JCPOA e restabelecerá sanções contra Teerã.


Míssil Ghadr-H frente ao retrato do supremo líder iraniano, Ali Khamenei, Teerã
Míssil Ghadr-H © AP Photo / Vahid Salemi

"A decisão de Trump de violar o acordo nuclear com o Irã, voltando a impor sanções, é perigosa, irresponsável, a é capaz de provocar uma crise nuclear que a comunidade internacional não se pode permitir", afirmou Davenport.

De acordo com a analista, os outros participantes do acordo nuclear devem reforçar as relações com o Irã, proteger os laços comerciais com Teerã contra as sanções norte-americanas e convencer o Irã a cumprir os compromissos no âmbito do acordo.

"É de importância especial que os outros assinantes do acordo, China, França, Alemanha, Rússia e o Reino Unido, empreendam passos imediatos para reforçar o acordo, proteger os negócios legítimos com o Irã das sanções norte-americanas, bem como apelar para que o Irã permaneça no acordo", frisou.

O JCPOA, assinado em 2015 entre o Irã e Grupo 5+1 (EUA, Rússia, Reino Unido, França, Alemanha, China) e considerado histórico, limitou o programa nuclear de Teerã em troca do levantamento das sanções internacionais. Posteriormente, o presidente dos EUA criticou repetidamente o JCPOA, qualificando-o como o pior acordo da história dos EUA, e ameaçou abandonar o JCPOA caso ele não fosse "corrigido".

Postar um comentário