Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

Su-27 russo teria se aproximado de avião dos EUA sobre mar Báltico

O caça russo Su-27 se aproximou do avião de vigilância Boeing P-8 Poseidon da Marinha dos EUA no espaço aéreo sobre a região do Báltico, comunicou o canal CNN, citando dois representantes das Forças Armadas norte-americanas.


Sputnik

O incidente ocorreu nesta quarta-feira (2), sobre o mar Báltico. De acordo com dados do canal, o Su-27 se aproximou a uma distância de seis metros da aeronave norte-americana, ficando perto dela durante nove minutos. 


Resultado de imagem para su-27 interceptação
Sukhoi Su-27 faz interceptação a aeronave dos EUA | Reprodução

"A intercepção foi descrita pelos representantes das Forças Armada dos EUA como segura, mas não profissional", especificou o canal.

Segundo um dos interlocutores do CNN, a Marinha oficialmente não utiliza a classificação de tais incidentes como "professionais" ou "não profissionais", usando somente os termos de "seguro" ou "não seguro".

Zach Harrell, porta-voz da Marinha dos EUA, preferiu não comentar a situação, contudo, afirmou que navios e aviões do Departamento de Defesa dos EUA "colaboram regularmente com unidades militares de outros países".

Por enquanto, a Sputnik não dispõe de comentário do Ministério da Defesa russo.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas