Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Defesa do Brasil tem maior gasto com pessoal na década, e investimento militar cai

Despesas com ativos e inativos crescem R$ 7,1 bi em 2019, reflexo de aumento salarial
Por Igor Gielow e Gustavo Patu | Folha de S.Paulo

A previsão de gasto militar para o primeiro ano de governo do capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) traz o maior aumento de despesa com pessoal em dez anos e uma redução expressiva do investimento em programas de reequipamento das Forças Armadas.
Não fosse uma criatividade contábil dos militares, que conseguiram recursos com a capitalização de uma estatal para comprar novos navios, a despesa de investimento seria a menor desde 2009.

A Folha analisou a série histórica com a ferramenta de acompanhamento orçamentário Siga Brasil, do Senado. Para este ano, o Ministério da Defesa, ainda na gestão Michel Temer (MDB), planejou gastar R$ 104,2 bilhões, o quarto maior volume da Esplanada.

Desse montante, R$ 81,1 bilhões irão para pessoal, R$ 13,3 bilhões, para gastos correntes (custeio) e R$ 9,8 bilhões, para investimentos. Os valores não incluem o con…

Submarino Riachuelo: Comando da Marinha do Brasil define o dia 12 de dezembro para o lançamento ao mar

O Comando da Marinha do Brasil (MB) definiu o dia 12 de dezembro de 2018, como data para o lançamento ao mar do seu primeiro submarino classe Scorpene (S-BR), o Riachuelo (S40), que vem sendo construído no complexo naval de Itaguaí (RJ).


Por Roberto Lopes | Poder Naval

Como ainda não há segurança absoluta de que tudo estará pronto para o evento neste dia – há uma dependência crônica da disponibilidade de recursos –, o 12 de dezembro vem sendo tratado como “data-tentativa”, e ainda não houve autorização para que a Força o anunciasse oficialmente.


Submarino Riachuelo fotografado na cerimônia de início da integração dos Submarinos da classe S-BR
Submarino Riachuelo fotografado na cerimônia de início da integração dos Submarinos da classe S-BR

As restrições orçamentárias para este ano também já fizeram a MB abandonar alguns planejamentos que a animavam, quatro ou cinco anos trás, quando tiveram início as obras do novo pólo militar de Itaguaí.

Na época em que se julgava factível transferir o Comando da Força de Submarinos (ForSub), da Ilha de Mocanguê, na Baía da Guanabara, para Itaguaí, imaginou-se ocupar as instalações hoje pertencentes à ForSub com os quadros do Comando de Operações Navais – e, especialmente, a sua “sala de guerra” (sala de situação tática), alimentada por dezenas de informações transmitidas via satélite.

Atualmente, todos esses planos estão congelados.

Mas a Marinha se preocupa em perpetuar a evolução da sua Força de Submarinos, o mais importante agrupamento de navios dessa categoria na costa sul-americana do Atlântico Sul.

Segundo o Poder Naval pôde apurar, ainda este mês o Centro de Comunicação Social da Marinha, sediado em Brasília, começará a coletar uma série de depoimentos de oficiais submarinistas que prestaram relevantes serviços à Arma Submarina brasileira. O objetivo é elaborar a história oficial da Força de Submarinos do Brasil.

Entre os nomes já elencados para fornecer esses dados estão os dos almirantes de esquadra Alfredo Karam (ex-comandante da Força de Submarinos e ex-ministro da Marinha), hoje com 93 anos, Fernando Eduardo Studart Wiemer, ex-comandante de Operações Navais, e Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, atual diretor-geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha.

Comentários

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas